Ação da Visanet estreia na Bovespa com alta de 11,8%

Empresa captou R$ 8,4 bi na maior abertura de capital do mundo neste ano

Ana Paula Ribeiro, O Estadao de S.Paulo

30 de junho de 2009 | 00h00

As ações da processadora de cartões de crédito e débito Visanet estrearam ontem no pregão da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) com valorização de 11,8%. Os papéis, que foram vendidos na semana passada, na abertura de capital (IPO, na sigla em inglês), a R$ 15, fecharam cotados a R$ 16,77 - na máxima do dia, chegaram a R$ 17,35. A Visanet captou R$ 8,4 bilhões no IPO, que se tornou o maior da história da Bovespa e o maior do mundo este ano.Com a entrada no pregão das ações da Visanet, os papéis da Redecard, a outra grande operadora de cartões do País, fecharam ontem em queda de 4,32%. De acordo com um operador, a expectativa era de que o preço da Visanet chegasse a R$ 20 na abertura, o que acabou não se confirmando. "Os investidores atrasados esperavam que levaria dias até os papéis se estabilizarem na faixa dos R$ 17. Como isso já ocorreu na estreia, preferiram vender Redecard para entrar firme em Visanet", disse.A cerimônia de entrada das ações da Visanet no pregão contou com a presença de executivos dos principais acionistas da empresa - Bradesco, Banco do Brasil, Santander e a Visa International. Dentre eles, o presidente do conselho de administração do Bradesco, Lázaro de Mello Brandão, além do próprio presidente da Visanet, Rômulo de Mello Dias.Durante a cerimônia, o diretor presidente da BM&FBovespa, Edemir Pinto, ressaltou que o fato de o IPO da Visanet ser o maior já realizado no Brasil e o maior do mundo em 2009 demonstra a posição de solidez que o Brasil alcançou após o período mais grave da crise. "É um começo simplesmente sensacional", disse.Uma fonte ligada ao IPO afirmou que a participação de estrangeiros na operação superou 80% do total de investidores que adquiriram ações da empresa. Os números oficiais serão divulgados após o término de período de silêncio da Visanet, que vai até 7 de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.