Lucas Rezende/Futura
Lucas Rezende/Futura

coluna

Carolina Bartunek no E-Investidor: 5 tendências prejudiciais para quem investe em ações

Ação entre amigos que virou festival bilionário

Um dos criadores do festival SXSW diz que Brasil pode criar evento baseado na união de arte e tecnologia

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2019 | 05h00

Em 30 anos, uma ação entre amigos virou um festival bilionário. O SXSW (South by Southwest) foi criado em 1987, com o objetivo de reunir pessoas que trabalhavam juntas havia anos no cenário musical do Texas – músicos, agentes, donos de casas noturnas –, cresceu a ponto de se tornar uma referência global em diversas áreas, de cinema a TV, de tecnologia a filantropia. 

O que começou como uma reunião casual se tornou um negócio bilionário: em 2018, o SXSW movimentou US$ 350 milhões (R$ 1,4 bilhão).

Em entrevista ao Estado durante o Rio2C, evento voltado aos produtores brasileiros de audiovisual, Louis Black, um dos fundadores do SXSW, afirmou que o evento superou as expectativas. “No primeiro ano, em 1987, esperávamos cem pessoas. E 700 vieram. No segundo ano, vieram mil pessoas. E depois tudo explodiu, com a inclusão do cinema e da tecnologia (à programação).”

À medida que o festival cresceu e começou a abraçar novos segmentos – o SXSW é considerado a plataforma que mostrou o Twitter para o mundo e, neste ano, foi o palco para o lançamento da última temporada de Game of Thrones –, Black diz que a organização conseguiu evitar a tentação de tornar o evento “exclusivo” e criar festas apenas para os ricos e famosos. “Nesse sentido, o núcleo inicial do nosso festival não mudou. A ideia é que as pessoas venham e conversem umas com as outras.”

Ao contrário de diversos outros festivais, o SXSW conseguiu extrapolar o curto período de tempo em que é realizado e transformar Austin, no Texas, em um polo de inovação. A cidade é hoje um dos principais berços de startups nos Estados Unidos fora do Vale do Silício, na Califórnia. 

Em sua palestra no Rio2C, Black afirmou acreditar que o Brasil, e especialmente a capital fluminense, tem potencial para se tornar um polo de inovação, de ser um centro onde tudo o que há de novo pode ser discutido.

Tudo o que sabemos sobre:
SXSWRio2CtecnologiaLouis Black

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.