Accenture
Accenture

Accenture prevê dobrar centro de inovação em dois anos, com 2,5 mil novas vagas

Consultoria, que vai abrir os postos de trabalho em sua sede no Porto Digital, no Recife, criou um caminhão que roda universidades em busca de talentos

Fernando Scheller, O Estado de S. Paulo

07 de maio de 2019 | 07h00

A consultoria Accenture – mais conhecida pelo trabalho em estratégia de negócios, mas que também trabalha nos segmentos de tecnologia e de marketing – está prevendo dobrar seu centro de inovação, localizado no Recife, em dois anos. Desta forma, a atual equipe, que é de 2,5 mil funcionários, passará a ter 5 mil colaboradores. Como a ampliação vai ser feita aos poucos, a empresa está indo a campo para captar mão de obra. O foco principal são as universidades. A empresa gira o País com um caminhão em que se apresenta a potenciais futuros talentos.

O foco da Accenture na busca de talentos para seu centro de inovação, de acordo com Flavia Picolo, diretora executiva da Accenture Technology, está na aplicação de diversas disciplinas de tecnologia para a resolução de problemas. Entre as áreas em voga atualmente estão computação quântica, inteligência artificial, realidade virtual e aumentada, plataformas inteligentes e design de serviços. O centro de inovação do Recife, instalado dentro do “hub” de negócios de tecnologia Porto Digital, trabalha em parceria com outros 15 grupos semelhantes espalhados pelo mundo.

A forte expansão do centro de inovação da Accenture – que foi criado em 2010, com 28 funcionários “pioneiros”, expandindo-se mais fortemente a partir de 2015 – é mais um exemplo da demanda por profissionais de tecnologia em um momento de mercado de trabalho deprimido no Brasil. O País fechou o primeiro trimestre com 13,4 milhões de desempregados e uma taxa de desocupação de 12,7%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Brasscom – entidade que reúne as grandes empresas do setor de tecnologia – afirma que o setor poderia gerar até 420 mil vagas nos próximos seis anos, caso houvesse mão de obra suficiente. Além da demanda vinda de grandes companhias, as startups também têm apetite para contratar: o total de empresas nascentes no País deve chegar a 15 mil ao fim do ano, um crescimento de 50% sobre 2018, segundo a Abstartups.

Protótipos e produtos

Mas o que faz exatamente um centro de inovação de uma consultoria? Segundo a executiva da Accenture, uma das tarefas é criar um produto mínimo viável para que o cliente possa desenvolver a ideia internamente e avaliar se vale ou não a pena lançá-la no mercado. “Entregamos para o cliente, em um prazo de quatro semanas, um protótipo funcional e escalável em que ele já consegue realizar o valor de negócio da solução”, explica a executiva da Accenture Technology.

Cerca de cem desses projetos já foram desenvolvidos nos últimos anos. Flavia diz que o centro de inovação “é parte fundamental” do crescimento da Accenture no País. “As organizações brasileiras, em todos os setores, estão buscando acelerar a transformação de seus negócios,  o que passa necessariamente pela transformação digital.”

Captação

Assim como ocorre com outras empresas, a Accenture também diz que não tem sido fácil encontrar talentos – apesar do trabalho de tentar atrair jovens que ainda estão na universidade com seu caminhão digital. “Vemos (a atração de talentos) como um desafio”, diz a executiva. “Para a Accenture, a diversidade é um ponto fundamental. Sempre procuramos um equilíbrio entre gerações, gêneros e experiências.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.