Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Acentua-se o recuo da produção industrial

O declínio da produção industrial, ininterrupto nos últimos 12 meses, acentuou-se em abril, com queda de 1,2%, em relação a março, e de 7,6%, na comparação com abril de 2014, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A produção acumulada em 12 meses caiu 4,8%, confrontada com a dos 12 meses anteriores, e 6,3%, entre os primeiros quadrimestres de 2014 e de 2015.

O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2015 | 02h03

Os números negativos são compatíveis com os dos Indicadores Industriais da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Como afirmou o gerente executivo de Política Econômica da CNI, Flavio Castelo Branco, "o quadro claramente é de recessão do setor industrial, com uma queda bastante significativa, especialmente nas horas trabalhadas e no faturamento". Por isso, afeta crescentemente o emprego.

O resultado da pesquisa do IBGE, pior que o previsto, reflete o impacto sobre a indústria da diminuição do consumo das famílias. A queda na produção "é um sinal vermelho", pois decorre da impossibilidade de os consumidores adquirirem os produtos desejados sem a elevação dos salários, notou o economista Thiago Bisculo, da RC Consultores.

Todas as categorias industriais registraram quedas entre os primeiros quatro meses de 2014 e de 2015, com destaque para bens de capital (-19,7%), o que indica menor disposição de investir e menores possibilidades de retomada, no futuro. Também caíram bens de consumo duráveis (-16%), bens de consumo semi e não duráveis (-6,8%) e bens intermediários (-2,9%).

O Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) notou que foi o pior quadrimestre da série histórica do IBGE, iniciada em 2003. Constatando a generalização e o aprofundamento da crise industrial, a Carta Iedi explica que, se anteriormente os determinantes da recessão no setor "concentravam-se na falta de competitividade interna e externa da produção industrial, em 2015 a reversão do consumo passa a assumir maior protagonismo".

Outros especialistas acreditam que houve continuidade da queda da indústria em maio, em razão do baixo índice de confiança dos empresários e do elevado nível dos estoques. Há, quando muito, exceções, como a da indústria extrativa mineral, que ainda registrou um crescimento de 1,5%, entre março e abril, e de 10,6%, entre os primeiros quatro meses de 2014 e de 2015.

A crise industrial avançou muito desde 2013 e ainda parece longe de ser estancada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.