Acerto de dívidas no SCPC cresce 10,9% no semestre

A disposição dos consumidores em saldar dívidas segue firme. O número de pendências que foram regularizadas no Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) no primeiro semestre cresceu 10,9% em relação ao mesmo período do ano passado, refletindo não só a flexibilidade do varejo em negociar débitos como também a necessidade dos consumidores de resolver seus dívidas para poder voltar a comprar a prazo. "São consumidores que dependem muito do crédito", afirmou Marcel Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). O movimento de cancelamento das dívidas, que já vinham crescendo desde o ano passado em razão do pagamento do FGTS, mantém-se este ano. Mas os recursos utilizados agora são do próprio salário, como revelou uma pesquisa feita pela Associação com os consumidores que visitaram o SCPC. De acordo com o levantamento, 88% das 101 pessoas resolveram suas pendências com o pagamento do mês ou cortando outros gastos. Uma grande parte (69%) alegou também que houve uma proposta vantajosa por parte do credor para resolver a pendência. Novos registros O aumento do cancelamento de débitos foi acompanhado por um crescimento de apenas 0,4% do volume de novos registros recebidos, contribuindo ainda para a redução da inadimplência líquida, que estava em 5,2% em maio e caiu para 4,9% em junho. Isto se deve, de acordo com a entidade, ao maior rigor na concessão de crédito adotado pelos varejistas e instituições financeiras, dada a deterioração das condições financeiras da população. A disposição de pagar as contas está relacionada também às expectativas positivas que estes consumidores mostram com relação ao futuro. Um grande contingente (88%) espera que sua situação financeira melhore este ano, contra apenas 3% que não acredita nisso e 5% que acha que permanecerá igual, revelou o mesmo levantamento da entidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.