coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Acesso à internet cresce, mas tem graves limitações

Entre 2005 e 2011, houve enorme aumento do acesso à internet em todas as faixas de renda e idade no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), do IBGE. É inegável a importância do fato para o bem-estar e o desenvolvimento das atividades econômicas - haja vista o número crescente de transações financeiras e do volume de vendas realizados por meios eletrônicos. Mas o levantamento não mostra o quanto esse acesso já é decisivo para a educação dos jovens e a qualificação profissional dos trabalhadores nem se a qualidade do serviço prestado é a mais desejável.

O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2013 | 02h04

Os números absolutos são, de fato, significativos: 1) aumento de 143,8% no contingente de pessoas com mais de 10 anos de idade que usaram a internet pelo menos uma vez nos três meses que antecederam à pesquisa; 2) o acesso à internet nas Regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste mais que duplicou, e no Norte e no Nordeste quase triplicou; 3) quase sextuplicou o acesso nos domicílios com renda mensal per capita inferior a quatro salários mínimos; e 4) no grupo dos jovens com 15 a 17 anos, 74,1% já estão conectados.

A internet é, de fato, essencial para a educação e a economia modernas, mas sem o conhecimento de línguas (não só do inglês, antes disso, do português) pode ser nulo o benefício do acesso a sites voltados para a profissionalização e a qualificação técnica indispensável ao exercício das atividades.

Um dos problemas enfrentados pela indústria é a falta de mão de obra qualificada para operar sistemas e maquinaria de ponta, que têm manuais em inglês. A deficiência em inglês é tal que muitos beneficiários do programa Ciência sem Fronteiras não puderam aproveitar as bolsas que receberam para estudar nos melhores centros internacionais.

Não basta, também, o acesso de alunos - e de escolas - à internet, se os professores não estão habilitados para orientar e acompanhar os alunos em laboratórios de informática, um dos programas oficiais. Isso ocorreu, nos últimos anos, em áreas tão distantes como Ceará, Minas Gerais, Paraíba ou Brasília. Ou em Tomar do Geru, em Sergipe, onde dez computadores estão há seis anos sem uso, entre outros milhares em escolas de todo o País.

Além do mais, a conexão tem de ser rápida, mas no Brasil a banda larga é cara e não entrega a velocidade contratada. Depende da fiscalização da agência reguladora Anatel, assim, assegurar que os serviços de internet sejam melhores para todos.

Tudo o que sabemos sobre:
Editorial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.