Acesso à web aumenta, mas desigualdade regional permanece

AE, Agencia Estado

18 de setembro de 2009 | 09h13

Depois de anunciar que mandaria ainda esta semana uma nova proposta de taxação da caderneta de poupança, o governo pode desistir da iniciativa por pressão da base aliada. Se isso de fato ocorrer, será a segunda vez que a ideia de se mexer na caderneta é anunciada pelo Ministério da Fazenda e não é encaminhada ao Congresso. A proposta, que já estava sendo analisada pela Casa Civil e praticamente pronta para ser remetida ao Parlamento, foi pedida de volta pela Fazenda para novos estudos.

A Agência Estado apurou que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, foi advertido por líderes aliados que este não seria o melhor momento para o envio da proposta ao Congresso Nacional. A avaliação é de que o projeto pode contaminar as negociações em torno do marco regulatório do pré-sal, que hoje é a pauta prioritária do governo no Parlamento.

Hoje, a poupança não paga Imposto de Renda (IR). A proposta anunciada pelo governo nesta semana prevê que quem tem mais de R$ 50 mil na caderneta vai pagar imposto sobre o saldo excedente. A alíquota será de 22,5%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
poupançaimpostoprojeto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.