‘Acho que as perspectivas são otimistas’

Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central

O Estado de S.Paulo

21 de agosto de 2016 | 05h00

“Existe uma questão estrutural já observada há algum tempo que está relacionada com o alto grau de inércia da inflação brasileira e com sua baixa resposta à queda da atividade econômica. O Banco Central veio aumentando os juros e neste ano esperávamos uma queda mais rápida, principalmente quando se monitorava os preços que são formados em mercados como o de serviços. A inflação de serviços demorou para cair, e o recuo vem se dando de maneira bastante atenuada. Agora, quando a gente olha para frente, eu acho que as perspectivas são otimistas. Primeiro, os aspectos sazonais tendem a desaparecer ao longo do tempo. Segundo, existe uma trajetória de taxa de câmbio que deve ajudar a inflação a cair. Além disso, a política monetária se mantém bastante restritiva, embora a política fiscal continue expansionista.”

Tudo o que sabemos sobre:
Banco Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.