Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 13/1/2019
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 13/1/2019

'Acho que tem brecha' para aumentar salário mínimo e compensar inflação, diz Bolsonaro

Presidente vai se reunir com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta terça-feira para discutir o assunto

Mateus Vargas e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2020 | 09h54

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira, 14, que deve existir "brecha" para aumentar o salário mínimo e garantir a recomposição da inflação do ano passado. Ele afirmou que "a ideia" é garantir o aumento e que o assunto será decidido em reunião às 14h desta terça com o ministro da Economia, Paulo Guedes

"Vou reunir com Paulo Guedes agora à tarde. Acho que tem brecha para a gente atender aí. Porque a inflação de dezembro foi atípica, né, por causa do preço da carne. Vai ser duas da tarde despacho com Guedes para decidir esse assunto", disse Bolsonaro em frente ao Palácio da Alvorada.

Questionado se o governo deve recompor a inflação, Bolsonaro disse: "A ideia, no mínimo, é isso aí". O presidente falou que cada real elevado do mínimo tem forte impacto sobre o Orçamento, mas que "tem de recompor" esse pagamento. 

"A cada R$ 1 reunido, mais ou menos R$ 300 milhões no Orçamento. A barra é pesada. A gente não pode... apesar de ser pouco o aumento, R$ 4, R$ 5 reais, tem de recompor", declarou Bolsonaro.  

Conforme o Estadão/Broadcast publicou, Guedes deve dar sinal verde para elevar o valor do salário mínimo de 2020 e garantir a recomposição da inflação do ano passado. O assunto foi tema de reunião do ministro com a equipe na volta ao trabalho após um período de férias de fim ano. O custo adicional deve ficar entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões.

O salário mínimo foi fixado em R$ 1.039, com alta de 4,1%. O ajuste ficou abaixo do Índice Nacional de Preços ao Mercado (INPC) de 2019, de 4,48%, que serve como base para correção do salário mínimo. Se for dado o mesmo índice sobre o salário mínimo vigente em 2019, o valor subirá para R$ 1.042,71.

Determinação presidencial

O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, disse que a equipe econômica vai atender à determinação do presidente Jair Bolsonaro de recompor a inflação do ano passado. 

A alternativa em análise levaria o salário mínimo para R$ 1.045, R$ 6 a mais do que o previsto na Medida Provisória publicada pelo governo no começo de janeiro. Essa valor, segundo o secretário, representaria um custo extra de R$ 2,13 bilhões. Cerca de dois terços dos benefícios do INSS (aposentadorias e pensões) são de um mínimo.

“O presidente Jair Bolsonaro já deu declarações de que entende ser possível esse espaço. Um valor maior para o salário mínimo aumenta o poder de compra dos trabalhadores, mas também tem pressão orçamentária”, afirmou. "Se Bolsonaro determinar que haverá compensação no salário mínimo, vamos atender".

Waldery apontou que cada R$ 1 a mais no salário mínimo tem um impacto de R$ 355 milhões em 2020, R$ 366 milhões em 2021 e R$ 377 milhões em 2022.  (COLABORARAM EDUARDO RODRIGUES E FABRÍCIO DE CASTRO)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.