Acionistas aprovam fusão que cria BM&F Bovespa

Em quatro assembléias realizadasnesta quinta-feira, os acionistas da Bolsa de Mercadorias &Futuros (BM&F) e da Bovespa Holding aprovaram a fusão dascompanhias, dando origem à BM&F Bovespa S.A. -- Bolsa deValores, Mercadorias e Futuros. Eles também elegeram o novoConselho de Administração. A companhia nasce como a terceira maior bolsa do mundo emvalor de mercado, negociando 80 por cento do volume negociadono mercado de ações da América Latina, além de mais de 67bilhões de dólares em negócios diários no mercado de futuros. Segundo comunicado divulgado nesta noite pela assessoria deimprensa da nova bolsa, até 31 de dezembro deste ano, acompanhia será "dirigida por um comitê de transição, do qualfazem parte como co-presidentes Raymundo Magliano Filho eManoel Felix Cintra Neto, e como co-diretores-presidentesGilberto Mifano e Edemir Pinto". Num prazo de 60 dias, esse comitê deverá indicar o novopresidente do Conselho de Administração e o novodiretor-presidente da BM&F Bovespa S.A.. Neste período, Mifanoacumulará o cargo de diretor de Relações com Investidores eEdemir Pinto, o de diretor financeiro. O Conselho de Administração da nova bolsa é formado por 18membros, sendo dez deles independentes e oito representantes domercado. Nesse período, um Comitê de Transição, formado porpresidentes dos Conselhos de Administração e diretores-geraisda BM&F e da Bovespa ficará encarregado de indicar os nomespara a presidência-executiva e para o Conselho de Administraçãoda BM&F BOVESPA, com sete a 11 membros, num prazo de até 60dias. O comunicado informa ainda que "a BM&F Bovespa S.A. serálistada no Novo Mercado depois de obtido o seu registro decompanhia aberta na Comissão de Valores Mobiliários (CVM)". "Até lá, os papéis registrados como BOVH3 e BMEF3continuarão a ser negociados normalmente." A assessoria de imprensa confirmou que todas as propostascontidas no edital de convocação dos acionistas foram aprovadasnas assembléias desta quinta-feira. (Por Alexandre Caverni e Aluísio Alves)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.