Márcio Fernandes/ Estadão
Márcio Fernandes/ Estadão

Acionistas aprovam fusão da Cetip com BM&FBovespa

Pagamento aos acionistas da Cetip ocorrerá após o aval da CVM, do BC e do Cade; ao todo, a operação custará à BM&FBovespa R$ 12 bilhões

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2016 | 13h04

Os acionistas da Cetip e da BM&FBovespa aprovaram nesta sexta-feira a fusão das instituições. Em Assembléia Geral Extraordinária (AGE), a depositária da Cetip conseguiu a participação de 72% de seu capital social, quórum maior do que os dois terços obrigatórios. No total 71% da base acionária votou favoravelmente pela fusão, o correspondente a 186.515.939 votos. Houve 540.975 abstenções e apenas 434 votos contrários. Na tarde de hoje será a vez da Bolsa se reunir com seus acionistas para aprovar a combinação das atividades com a Cetip.

O aval dos acionistas de ambas companhias é mais um passo fundamental no processo de fusão, que depende ainda de aprovação dos três órgãos reguladores que analisam a transação, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Banco Central (BC) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

Conforme ata divulgada pela Cetip, todos os itens da pauta foram aprovados, incluindo a dispensa da realização da oferta pública de aquisição de ações (OPA).

Após todas as aprovações, os acionistas da Cetip receberão por ação detida na depositária R$ 30,75 em dinheiro, montante que começou a ser ajustado pelo CDI desde a reunião do Conselho de Administração da companhia que recomendou a proposta recebida pela BM&FBovespa, em 8 de abril. O restante será pago com 0,9358 ação da Bolsa, com travas estabelecidas para o preço do papel de R$ 12,51 a R$ 19,75. O valor mínimo a ser pago por ação da Cetip será, dessa forma, R$ 42.

Mais tarde, os acionistas da BM&FBovespa também aprovaram a fusão com a Cetip. Estavam presentes cerca de 71% do quadro de acionistas, mais do que os dois terços necessários, conforme a legislação vigente. A AGE da Bolsa foi liderada por Pedro Parente, presidente do Conselho de Administração da companhia, anunciado ontem como novo presidente da Petrobrás.

O pagamento a ser realizado aos acionistas da Cetip ocorrerá, assim, após o aval de Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Banco Central (BC) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Ao todo, a operação custará à BM&FBovespa R$ 12 bilhões, sendo que aproximadamente R$ 8 bilhões do pagamento aos acionistas da Cetip será feito em dinheiro e o restante em ações. A companhia já afirmou na semana passada que sua estrutura de financiamento para a operação está praticamente pronta.

A Bolsa, dessa forma, já contratou linhas de financiamentos 'stand-by' com um consórcio de bancos de R$ 2,5 bilhões, mas a intenção é não utilizá-la, mas sim acessar o mercado de capitais para uma captação definitiva e mais estruturada, mais perto da data da liquidação da operação - o que só ocorrerá após todas as aprovações regulatórias citadas.

A maior parte do valor necessário para pagar a transação já está no caixa da empresa e foi obtido após a venda integral da participação que a BM&FBovespa detinha na bolsa de Chicago, a CME. Com isso, já estão garantidos cerca de R$ 5,5 bilhões. Outro montante entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão virá da geração de caixa até a liquidação.

Mais conteúdo sobre:
Bolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.