Acionistas querem impedir transferência de controle da Transbrasil

Os acionistas minoritários da Transbrasil já iniciaram a movimentação para impedir a realização da assembléia que pode transferir definitivamente o controle da companhia - bem como as dívidas de mais de R$ 1 bilhão - para Dilson Prado da Fonseca. A Associação de Aposentados da Transbrasil, cujos membros integram a Fundação Transbrasil, dona de 18% das ações da empresa, envia nesta quarta-feira um documento à Curadoria de Fundações do Ministério Público, solicitando novas eleições para a diretoria do órgão, composta por funcionários que foram demitidos da empresa. O trâmite poderia impedir que Antônio Celso Cipriani, atual presidente da Fundação, vote em nome da entidade e em seguida abra mão do cargo. "Está tudo irregular.Cipriani se intitula dono de tudo para vender a empresa", afirma o presidente da Associação dos Aposentados da Transbrasil, comandante Tomás. Os membros da associação, em sua maioria pequenos acionistas, dizem ter solicitado intervenção na entidade em 2000 quando a empresa devia R$ 10 milhões em repasses dos descontos dos salários dos funcionários. O valor atualizado dos débitos da companhia com a fundação está sendo levantado pela associação de inativos. "Que grupo é esse que vai associar seu nome a uma negociação obscura e a alguém como Fonseca?", argumenta um aposentado, dono de 30 ações. "É claro que o próprio Cipriani é quem está mantendo a sobrevida da empresa, só para ganhar tempo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.