Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Ações asiáticas se movimentam com cautela após discurso de Obama

Os mercados asiáticos adotaram a cautela nesta quinta-feira depois que o presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu combater militantes do Estado Islâmico, enquanto o dólar atingiu novas máximas de seis anos contra o iene.

LISA TWARONITE, REUTERS

11 de setembro de 2014 | 07h53

Dados sobre a inflação na China que indicaram perda de ímpeto na economia levantaram preocupações, mas também algum otimismo entre investidores que esperam mais estímulos para impulsionar a segunda maior economia do mundo.[L1N0RC0K0]

Obama disse aos norte-americanos em um discurso no final da quarta-feira que autorizou ataques aéreos dos EUA pela primeira vez na Síria e mais ataques no Iraque, em uma ampla escalada da campanha contra o grupo militante Estado Islâmico.

Embora ganhos em Wall Street tenham sustentado as ações, o clima de aversão ao risco ajudou a pressionar o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, e este recuava 0,63 por cento às 7h39 (horário de Brasília).

O índice Nikkei de Tóquio subiu 0,76 por cento, fechando a uma máxima de oito meses, encontrando sustentação no iene mais fraco e em dados positivos divulgados antes da abertura do mercado.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.