Ações atingem preços mais baixos na Bovespa

O mercado de ações brasileiro, que já estava fragilizado nos últimos dias, foi devastado pelos ataques ocorridos nos Estados Unidos. Do total de 361 papéis negociados na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), 46 atingiram ontem sua cotação mais baixa dos últimos 12 meses, segundo levantamento do Financhart.O pregão durou apenas uma hora e 15 minutos. A Bovespa decidiu interromper os negócios às 11h15, numa atitude inédita na história do mercado. O curto espaço de tempo, no entanto, foi suficiente para levar o Ibovespa para o seu patamar mais baixo desde 31 de agosto de 1999. Nessa data, o índice fechou em 10.564 pontos. Ontem, após desabar 9,17%, o Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa - encerrou antecipadamente o dia em 10.827 pontos. A queda acumulada no ano é de 29,05%.A maioria das ações que atingiu a cotação mínima anual é do setor de telecomunicações, o mais líquido do mercado, e por isso o que sente maior impacto. Foram 22 papéis do segmento que fecharam com o menor preço em um ano. A lista abrange as três grandes empresas de telefonia fixa brasileiras: Brasil Telecom, Telemar e Telesp (além dos papéis da espanhola Telefonica, que são negociados no Brasil).A telefonia celular também teve perdas significativas. Um dos destaques da lista é Telesp Celular, que já vinha sendo fortemente afetada desde que a Portugal Telecom desistiu de realizar a oferta pública pelos papéis em mercado.PerdasAs maiores quedas do curto pregão de ontem refletiram a perplexidade do mercado com os atentados nos EUA. A maior desvalorização foi de Tele Nordeste Celular (-28,42%), seguida por Inepar (-24,12%), Tele Celular Sul (-20,63%), Acesita (-20,0%), Tele Centro-Oeste Celular (-19,77%), Cesp (-19,23%), Bradespar (-18,03%) e Light (-18,03%). O analista Ricardo Ventrilho, da Itaú Corretora, afirmou que é inútil buscar causas específicas para a queda das ações.A ação mais negociada ontem foi Petrobrás, que movimentou R$ 88,685 milhões. Os papéis chegaram a se manter em alta, mas fecharam em baixa de 1,63%. O recuo menos expressivo foi respaldado pela alta do preço do petróleo. Também entre as mais movimentadas ficaram as ações da Gerdau, que recuaram 5,83%. A companhia tem uma subsidiária nos EUA, a Ameristeel, que pode sofrer com os desdobramentos dos ataques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.