bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Ações caem e bolsa de NY volta ao nível de 2002

Mercado teme possibilidade de estatização de bancos e persistem incertezas em relação ao plano de socorro anunciado por Obama

NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

20 de fevereiro de 2009 | 00h00

O mercado americano de ações chegou ontem ao nível mais baixo desde 9 de outubro de 2002. Com a queda de 1,19% do índice Dow Jones, a bolsa americana perdeu 89,68 pontos, fechando o dia em 7.465,95 pontos. O índice Nasdaq também recuou, fechando em baixa de 1,71%. As ações do setor financeiro puxaram as baixas. Os papéis dos bancos Citigroup e Bank of America estão os que mais sofreram. O índice S&P-500 Financials caiu 9,48 pontos (1,20%) e fechou o dia no nível mais baixo desde 1995. A divulgação do número de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA foi um dos motivos que desanimaram os investidores ontem. Segundo o Departamento de Trabalho, 627 mil americanos entraram com o pedido na semana encerrada em 14 de fevereiro. A alta de 0,8% em janeiro do índice de preços ao produtor (PPI) nos EUA, a inflação no atacado, também influenciou as decisões dos investidores. E o temor de estatização de bancos e a incerteza sobre os efeitos do plano de socorro do governo do presidente Barack Obama para o setor alimentam o pessimismo sobre a economia. "Os bancos são o saco de pancadas desta recessão, mesmo antes da deterioração dos informes sobre o nível de emprego, eles já precisavam de mais capital. Os números do auxílio-desemprego só fazem crescer a probabilidade de estatização, ou de algum plano de socorro punitivo. Sabemos que o governo Obama quer proteger o cidadão comum, e medidas adicionais certamente vão ser às custas dos investidores", comentou o analista James Early, da Motley Fool. Os destaques negativos do dia foram Bank of America, cujas ações recuaram 14,00%, Citigroup (-13,75%), Fifth Third Bancorp (-11,98%), Capital One Financial (-17,44%), Wells Fargo (-7,97%) e JPMorgan Chase (-4,23%). As ações das operadoras de cartões de crédito também caíram, depois de Fitch Ratings e os analistas do Goldman Sachs divulgarem previsões de crescimento dos defaults (American Express -8,72%, MasterCard -2,82%, Visa -0,93%). No setor de tecnologia, as ações da Hewlett-Packard caíram 7,89%, em reação a seu informe de resultados. O NYSE Composite caiu 43,38 pontos (0,88%), para 4.881,16 pontos. O volume de negócios com ações listadas no NYSE Composite alcançou 1,486 bilhão de ações. No Nasdaq, o volume ficou em 2,008 bilhões de ações negociadas, de 2,078 bilhões ontem, com 917 ações fechando em alta e 1.817 em queda. Os preços dos títulos do Tesouro dos EUA caíram, com correspondente alta nos juros. Os preços dos Treasuries caíram apesar da baixa do mercado de ações e de indicadores que normalmente favoreceriam uma alta dos preços dos bônus (o índice dos indicadores antecedentes da Conference Board e o índice de atividade do Fed de Filadélfia, que ficaram acima das previsões). Outro indicador divulgado hoje, o índice de preços ao produtor de janeiro, também superou a expectativa dos economistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.