Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Ações chinesas se destacam na Ásia apesar de tensões geopolíticas

As ações de Xangai deram de ombros a preocupações políticas nesta quarta-feira e foram o destaque na Ásia, superando o desempenho fraco de outras bolsas da região.

WAYNE COLE, Reuters

27 de novembro de 2013 | 07h50

Enquanto a maioria dos mercados acionários mostrou fraqueza depois de fechamento estável em Wall Street, o índice chinês CSI300 das principais ações de Xangai e Shenzhen avançou 1,13 por cento.

Investidores lá pareceram não se preocupar com o aumento das tensões quanto às demandas de Pequim de que as linhas aéreas informem o país quando estiverem sobrevoando ilhas disputadas no Mar do Leste da China, uma ação que a Casa Branca chamou de "desnecessariamente inflamatória".

Na verdade, não havia um assunto claro nos mercados, exceto talvez por uma relutância de envolvimento antes do feriado do Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos na quinta-feira e do relatório de emprego norte-americano na próxima semana.

O índice japonês Nikkei caiu 0,42 por cento, afastando-se mais do pico em seis meses atingido na segunda-feira. Faltava convicção em outros lugares, e às 7h45 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão subia 0,15 por cento.

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.