Ações contra crise levam tempo para surtir efeito, dizem EUA

Após anúncio de desemprego recorde no país, Casa Branca diz já ter tomado medidas para estimular economia

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

09 de janeiro de 2009 | 14h47

Em resposta à divulgação do relatório que mostrou a maior perda de emprego nos Estados Unidos desde 1945 no ano passado, a administração George W. Bush afirmou ter tomado ações "corajosas e decisivas" para reviver a economia, mas alertou que tais medidas levarão algum tempo para surtir efeito. Veja também:EUA têm maior taxa de desemprego em 15 anosDe olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise   "Entendendo quão severo o problema era, o presidente trabalhou agressivamente para responder às causas dos problemas econômicos atuais, e assinou uma expansão adicional dos benefícios de seguro-desemprego para ajudar mais americanos a passar pela desaceleração", disse a porta-voz da Casa Branca Dana Perino. Apenas no mês de dezembro, a economia dos EUA cortou 524 mil postos de trabalho. Em novembro, o corte de vagas foi revisado de 533 mil para 584 mil, o maior declínio desde 1974. Em 2008 como um todo, foram eliminados 2,6 milhões de empregos, a maior perda desde 1945. Perino disse que os dados refletem a desaceleração causada pelos problemas nos mercados de crédito e imobiliário. Ela se mostrou otimista para 2009, afirmando que "os americanos podem ter fé que a economia pode voltar a crescer e criar emprego este ano".

Tudo o que sabemos sobre:
Crise FinanceiraEmpregoEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.