carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Ações da Ásia caem, mas têm primeira semana de alta no ano

A maior parte das bolsas asiáticasencerrou a sexta-feira em baixa, após o Federal Reserve afirmarque o riscos para o crescimento da economia dos Estados Unidosaumentaram e em meio a uma intesificação das preocupações sobrea crise global de crédito depois que uma seguradora de títulosnorte-americana teve sua classificação reduzida. O índice MSCI da Ásia Pacífico exceto Japão avançava 0,25por cento, para 477 pontos. O indicador registrou a primeiraalta acumulada na semana do ano, de cerca de 1 por cento. O índice Nikkei da bolsa de Tóquio fechou em leve baixa de0,03 por cento, para 13.622 pontos, mas teve seu maior avançosemanal desde novembro, ajudada por dados econômicos domésticospositivos, apesar de o Banco do Japão ter alertado nestasexta-feira para um crescimento econômico mais lento neste ano. "Tenho a sensação de que os mercados precificaram boa partedas notícias negativas, mas vai levar pelo menos 12 meses paratodas as questões do mercado de crédito saírem de cena",afirmou Angus Gluskie, gerenten de portfólio na White FundsManagement. "Creio que os investidores estão tentados a comprar depoisde tantas quedas fortes no mercado acionário que tornaram ospapéis muito atraentes, mas eles estão com dificuldades emencontrar o momento certo para retornar", disse Kim Joong-hyun,analista no Goodmorning Shinhan Securities. O setor financeiro teve baixas neste pregão asiática,depois que a Moody's Investors Service reduziu em seis graussua classificação "AAA" de uma unidade da seguradora de bônusFGIC Corp. Na Coréia do Sul, a bolsa fechou em queda de 0,16 porcento, para 1.694 pontos. Na Austrália, a queda foi de 1,38 por cento, para 5.606pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,53 por cento e emCingapura o avanço foi de 1,41 por cento.

RAFAEL NAM, REUTERS

15 de fevereiro de 2008 | 07h54

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.