Ações da Eletrobrás têm queda de 11,4% no pregão desta quarta-feira

Papéis recuaram por decisão da Câmara de arquivar a medida provisória 814, que trata da privatização das distribuidoras

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

23 Maio 2018 | 21h45

RIO- O presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Jr., se disse preocupado, nesta quarta-feira, 23, com o arquivamento da MP 814 (que trata do leilão das distribuidoras da Eletrobras no Norte e Nordeste), mas afirmou acreditar que uma solução será encontrada a tempo de se vender as seis distribuidoras deficitárias. 

+ Moreira Franco pressionou distribuidoras a reduzir preço de combustíveis

O deputado Rodrigo Maia anunciou na terça-feira que o conteúdo da MP 814 poderá ser incorporado no projeto de lei da privatização da Eletrobrás, cujo relator é o deputado José Carlos Aleluia. No pregão desta quarta, as ações da Eletrobrás fecharam em queda de 11,47% (ON) e 9,42% (PNB).

“As colocações que me foram feitas é de que se colocarem em urgência dará tempo”, afirmou Ferreira Jr., lembrando que a venda das distribuidoras é prioridade do governo, assim como a privatização da Eletrobrás.

+ Privatização ainda é favorável para distribuidoras da Eletrobrás

Sobre a possibilidade de liquidação das distribuidoras, Ferreira Jr. afirmou que seria “a pior alternativa”.

+ Eletrobrás sai da previsão do Orçamento

“Eu tenho até 31 de julho para operá-las conforme deliberações da última assembleia. Estou indo para Brasília discutir as alternativas, a liquidação é a pior alternativa”, afirmou.

+ Governo enviará projeto de lei para destravar leilão das distribuidoras da Eletrobrás

Ele informou ainda que se precisar operar as distribuidoras por mais tempo terá de ser autorizado por uma assembleia. “O que atende melhor ao consumidor é a privatização”, completou.

Dívidas. Ele descartou a possibilidade de antecipar o pagamento das dívidas das distribuidoras e informou que a Eletrobrás já incorporou as perdas de cerca de R$ 14 bilhões que já foi realizado com essas companhias. 

“Foi com base nessas perdas que nós propusemos lá atrás assumir dívidas de R$ 11 bilhões e com base da perspectiva da MP 814, o controlador votou para assumir dívidas de R$ 8,5 bilhões porque tinha a contrapartida de créditos, e é desses créditos que eu estou falando”, disse.

Ferreira informou também que na reunião de amanhã do Conselho de Administração da Eletrobrás será votada a venda das 70 SPEs da estatal por meio de leilão.

Mais conteúdo sobre:
Eletrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.