Ações da Submarino estréiam na Bolsa com alta de 6,85%

As ações do site de comércio eletrônico Submarino, que estréiam hoje na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), abriram cotadas a R$ 23,10. Trata-se de uma alta de 6,85% em relação ao preço da ação definido no processo de tomada de ofertas (bookbuilding), que ficou em R$ 21,62 por ação ordinária (ON, com direito a voto). O montante total da oferta da empresa foi de R$ 472,937 milhões. No total, serão emitidas 21,874 milhões de ações, as quais representam 45% do seu capital total.?O Submarino está crescendo rapidamente nos últimos anos e acredita que este é o momento adequado para efetuar captação de recursos adicionais e continuar financiando seu crescimento e, por outro lado, oferecer liquidez para parte dos investimentos dos acionistas atuais?, explica Flavio Jansen, Diretor Presidente do Submarino. O Submarino é a segunda empresa do setor de Internet a negociar ações na Bovespa. A primeira foi a IdeiasNet, que está na Bolsa há cinco anos. As ações do site de comércio eletrônico já estréiam no patamar das empresas que privilegiam o sistema que garante tratamento igualitário entre os acionistas, além de transparência e responsabilidade na divulgação dos resultados. Trata-se do Novo Mercado, que reúne as companhias comprometidas com o nível mais alto da Governança Corporativa.O Submarino será a nona empresa a integrar o Novo Mercado e a 50ª a participar do Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGC). O índice reúne as companhias listadas no Nível 1, Nível 2 e Novo Mercado.A empresaConstituída em junho de 1999 a companhia iniciou suas operações em agosto de 1999, ainda sob a denominação TBL S.A. Somente em outubro a empresa passou a se chamar Submarino S.A. e, um mês depois, foi lançada a marca Submarino.No início, a oferta de produtos limitava-se a livros nacionais, CD´s e brinquedos. Atualmente a empresa oferece mais de 700 mil itens em 20 lojas diferentes, como moda, beleza e saúde, brinquedos, câmeras e equipamentos fotográficos, CDs e instrumentos musicais, DVDs, eletrodomésticos, eletrônicos, telecom, ferramentas e automotivos, informática, jóias e relógios, games, livros, livros raros e importados, produtos de cama, mesa e banho, esporte e lazer, pet shop, produtos para bebês e utilidades domésticas.Por trás da logística está o centro de distribuição do Submarino, localizado estrategicamente no bairro da Barra Funda, em São Paulo. Com um investimento de R$ 8 milhões, o centro foi construído numa área de 15 mil metros quadrados e tem capacidade para armazenar 800 mil produtos em estoque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.