Ações de bancos e metais puxam alta de bolsas da Ásia

Um rali no setor financeiro impulsionou as bolsas de valores de Hong Kong e da Coréia do Sul nesta quarta-feira, seguindo o esforço de 800 bilhões de dólares do Federal Reserve para incentivar o mercado de crédito nos Estados Unidos. Além disso, desistência da BHP Billiton da tentativa de compra da rival Rio Tinto impulsionava ações ligadas a metais. Washington já acumulou até agora uma conta surpreendente de 8,3 trilhões de dólares para resgatar companhias e evitar que o sistema financeiro entre em colapso. Investidores estão considerando as medidas de apoio cada vez maiores como disposição dos governos para gastarem o que for preciso para conter a crise financeira antes que ela piore. Com o final do ano se aproximando, investidores estão satisfeitos em fazer apenas alguns pequenos ajustes em seus portfólios, dadas baixas evidências de que o risco ampliado por retornos maiores retornou. "O mercado está preocupado que uma recessão em partes da Ásia terá uma recuperação mais demorada que nos Estados Unidos. Nós percebemos as coisas desacelerarem bem aqui, portanto eu acredito que os mercados asiáticos podem cair ainda mais", disse Dariusz Kowalczyk, estrategista-chefe de investimento do CFC Seymour, em Hong Kong. O analista afirma que sua principal escolha em 2009 será a compra de ações de companhias norte-americanas e venda de títulos de prazos mais longos do Tesouro norte-americano, numa antecipação a uma recuperação econômica mais para o final do próximo ano e pesadas emissões de dívida governamental para financiar uma miríade de pacotes e programas de resgate. Enquanto isso, ganhos nos setores financeiro e de metais deram suporte a toda a região no pregão desta quarta-feira. O índice MSCI que reúne mercados da Ásia-Pacífico com exceção do Japão operava em alta de 1,8 por cento às 8h05 (horário de Brasília), seguindo quatro sessões seguidas de ganhos. O índice Hang Seng, de HONG KONG, fechou em alta de 3,8 por cento, ajudada pela disparada de 9,5 por cento da produtora de metais Chalco. O impulso veio da desistência da BHP de sua oferta hostil de aquisição da Rio Tinto. A desistência foi considerada como uma abertura de oportunidades em outras empresas para manter o mercado mais competitivo. "A Chalco não tem nada a ver com a BHP ou Rio diretamente, mas todos os papéis de metais e de mineração estão em alta hoje após a ameaça do monopólio BHP-Rio ter sido removida", disse Castor Pang, estrategista do Sun Hung Kai Financial em Hong Kong. Os papéis do HSBC saltaram 5,9 por cento, com expectativas de que o conjunto de programas do Fed irá eventualmente destravar o fluxo vital de crédito nas grandes economias. O principal indicador da bolsa de SYDNEY teve queda de 2,3 por cento, com os papéis da BHP Billiton em alta de 3,9 por cento e Rio Tinto mergulhando 34,3 por cento. O chairman da Rio Tinto disse que a companhia não necessita levantar recursos e que está confiante de que pode vender ativos para pagar dívida, um dia após a rival BHP ter retirado a oferta de 66 bilhões de dólares. O índice Nikkei, da bolsa de TÓQUIO, teve desvalorização de 1,33 por cento, puxado por uma mistura de ações do setor de exportações, como Toyota, e outras consideradas defensivas, como Takeda Pharmaceutical. Na Coréia do Sul, o índice Kospi de SEUL avançou 4,7 por cento, enquanto o índice de XANGAI subiu 0,5 por cento. Em TAIWAN houve valorização de 0,12 por cento, e em CINGAPURA, a alta foi de 3,5 por cento.

KEVIN PLUMBERG, REUTERS

26 de novembro de 2008 | 08h18

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAASIAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.