Ações de bancos gregos caem 5% com temor sobre economia

Agências de ratings alertam para o expressivo aumento do déficit do Orçamento do país europeu

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

09 de dezembro de 2009 | 10h51

As ações dos bancos gregos continuaram a cair nesta quarta-feira, liderando um movimento de baixa entre os papéis do setor financeiro na Europa, em consequência de temores de que serão atingidos pelos problemas econômicos do país. Nos últimos três pregões, os preços das ações dos bancos refletiram comentários das agências de ratings sobre o expressivo aumento do déficit do orçamento do país. Na terça-feira, a Fitch Ratings cortou o rating da Grécia para BBB+, de A-, destacando "preocupações sobre as perspectivas de médio prazo das finanças públicas, diante da fraca credibilidade das instituições fiscais e da estrutura das políticas da Grécia".

 

O relatório da Fitch acentuou a pressão sobre os bancos nas semanas recentes, desde que o banco central da Grécia pediu aos bancos de crédito que deixassem de tomar recursos nas linhas baratas de crédito do Banco Central Europeu (BCE). Os bancos gregos devem ao BCE cerca de 40 bilhões de euros, os quais tomaram para adquirir bônus do governo da Grécia, utilizando-os como colateral. Como o BCE deve gradualmente retirar as políticas de facilidade de crédito, os mercados preocupam-se com a possibilidade de os balanços dos bancos serem atingidos com o fim das linhas de financiamento barato do BCE e o fim das chamadas operações de carry trade com os bônus gregos.

 

As ações do Piraeus Bank, do National Bank of Greece, do EFG Eurobank Ergasias e do Alpha Bank caíram mais de 5%.

 

Na segunda-feira, a Standard & Poor's advertiu para o rating soberano da Grécia, apontando que questões relacionadas as finanças do governo poderiam levar ao rebaixamento de sua classificação. O déficit orçamentário da Grécia deve atingir 12,7% do PIB este ano, bem acima do limite de 3% estabelecido para os países da zona do euro. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Gréciaaçõescrisebancos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.