Ações de construção retomam alta

Investidores estrangeiros impulsionam compras de papéis, que acumulam ganhos de até três dígitos neste ano

Luís Eduardo Leal, O Estadao de S.Paulo

11 de maio de 2009 | 00h00

Após terem sido demolidas pelo terremoto financeiro global, as empresas de construção civil estão de volta às carteiras dos investidores. Ações que chegaram a valer menos de R$ 2,00 acumulam alta de até três dígitos neste ano - e os analistas, às voltas com a redefinição de preços-alvo para o fim do ano, avaliam que o espaço para avanços não se esgotou. Por trás do otimismo, estão fatores como o pacote habitacional do governo Lula e iniciativas para melhorar as condições de crédito das empresas. O impulso vem também dos investidores estrangeiros, os principais responsáveis pela tendência de preços desde que as companhias brasileiras do setor abriram capital na Bolsa, entre 2005 e 2007.Levantamento realizado pela Economática com 35 empresas do setor até o fechamento da Bolsa no dia 7 indica que 24 apresentaram desempenho superior ao do Ibovespa neste ano. Com a percepção de risco Brasil mais favorável e a diminuição da taxa de juros doméstica, essas ações, assim como o Ibovespa, têm espaço para manter a recuperação. "Ainda há uma perspectiva bem favorável, considerando as perdas que se acumularam nesses papéis nos últimos 12 meses", diz o analista de construção civil do Banco Fator, Eduardo Silveira.Cinco empresas concentram a liquidez dos negócios na Bolsa: Cyrela, Gafisa e Rossi (as três integram o Ibovespa), além de MRV e PDG - estas duas focadas no perfil popular, a área prioritária do pacote habitacional. Outra companhia bem posicionada nesse nicho é a Tenda, que acumulava alta de 193% até o dia 7. "Exposição à baixa renda, sólida gestão de caixa, alta velocidade de vendas e estoques relativamente baixos são aspectos que devem ser observados pelo investidor", diz Silveira. Mas é preciso estar atento aos fundamentos: vulnerabilidades específicas deixam algumas ações de fora do boom, como as da Klabin Segall, uma das duas do setor a acumular perdas em 2009 (-9,4%). "A empresa está muito endividada", explica a analista Cristiane Viana, da Ágora Corretora. ENTENDAFundamentos - Conforme análise contábil dos resultados apresentados nos balanços, é possível verificar e comparar a saúde financeira de cada empresa.Preços-alvo - Periodicamente, corretoras reavaliam o potencial de cada ação e definem uma projeção de preço a ser atingida em determinado espaço de tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.