Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Ações de empresas brasileiras sobem em Nova York

Os ADRs brasileiros - recibos das ações de companhias nacionais negociados em Nova York - estão acompanhando a onda de boas notícias que animou o mercado e já valorizaram na média entre 30% e 40% desde o dia 16 de outubro, data em que atingiram o nível mais baixo do ano. Segundo o chefe da mesa de bolsa de América Latina do J.P. Morgan em Nova York, Fábio Gheilerman, vários bancos estão recomendando a troca de investimentos em ações do México por papéis do Brasil. "A alta dos ADRs é um reflexo da valorização do real e de sinais positivos como o sucesso do governo brasileiro na rolagem da dívida e uma volta de confiança em relação ao presidente eleito", diz Gheilerman.O México estaria perdendo pontos porque é mais dependente dos Estados Unidos e estaria sendo contaminado pela estagnação da economia norte-americana. De acordo com Gheilerman, ADRs de bancos como Itaú (alta de 3,15% hoje), Unibanco (1,53%) e Bradesco (2,31%) puxaram a recuperação, juntamente com empresas de primeira linha como Petrobras (3,36%) e Vale do Rio Doce (0,15%). "Ganhamos terreno desde o dia 16 de outubro, mas ainda estamos distantes das altas históricas", ressalva. A Petrobras ON, por exemplo, subiu 38,75% desde o dia 16 de outubro e a Telemar, 39%. Mas, no ano, ADRs brasileiros ainda acumulam queda de 42,33%, só perdendo para a Argentina, cujos papéis desvalorizaram 54,27%. Entre os mercados emergentes, a Ásia ainda continua como a preferida dos investidores, apesar dos receios sobre efeitos na região de uma eventual guerra entre Iraque e EUA. A ameaça ao fornecimento de petróleo do Oriente Médio em caso de guerra prejudicou o desempenho de ADRs de países como Taiwan e Coréia do Sul, dependentes das importações do produto. Esses países também dependem bastante de exportações para o crescimento econômico e a valorização das moedas e a desaceleração econômica norte-americana estão tornando pior a perspectiva para as vendas externas da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.