finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ações de teles têm alta depois da decisão pelo IPCA

Apesar da decisão do juiz substituto da 2ª Vara Federal em Brasília, Rodrigo Navarro de Oliveira, concedendo liminar mantendo o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) como indexador das tarifas da telefonia fixa, ações de empresas de telefonia fecharam em alta. Exemplo disso é a ação ordinária (ON, com direito a voto) da Embratel, que fechou com valorização de 2,99%. Já a ação preferencial (PN, sem direito a voto) da empresa terminou a sexta-feira com alta de 3,05%. As ações preferenciais da Tele Centro Oeste fecharam em alta de 1,30% e as da Tele Celular Sul, alta de 2,84%. Telemar ON acumulou alta menor, de 0,65% e as PN, de 0,05%.Mas houve papéis deste setor que registraram queda. As ações ordinárias da Telesp Celular Participações fecharam em baixa de 2,25% e as ordinárias, em queda de 0,73%.No fechamento dos negócios, o Ibovespa ? índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) ? subiu 0,79%, para 16.421 pontos. O indicador continua testando máximas de 2001 e bateu hoje uma mais antiga. Segundo apurou a editora Aline Cury Zampieri, trata-se do maior nível desde 5 de março de 2001, quando fechou em 16.537 pontos.Empresas não comentam decisãoAo longo do dia, após a divulgação da decisão da Justiça, algumas empresas de telefonia foram procuradas pela reportagem da Agência Estado. Porém, nenhuma delas quis comentar o assunto. A Brasil Telecom informou, por meio de sua Assessoria de Imprensa, que não irá comentar a decisão liminar, segundo informou a jornalista Sandra Hahn.O diretor de novos negócios e estratégia corporativa da Telemar, André Bianchi Monte Raso, também não quis comentar a decisão do juiz Rodrigo Navarro. "Não é meu âmbito discutir isso aí", afirmou, à jornalista Adriana Chiarini, em entrevista ao final do painel de telecomunicações no seminário "A Cooperação Sul Americana". A Embratel, procurada pela jornalista Alessandra Saraiva, informou que não se pronunciará oficialmente sobre decisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.