Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Ações devem superar renda fixa neste ano

Excluindo-se a possibilidade de fatores externos abalarem a economia nacional, as aplicações em renda variável devem ter um rendimento superior às aplicações de renda fixa neste ano. É o que prevê o sócio-gerente da Atrium, Marco Antônio Fiori. A Atrium foi a única instituição que conseguiu devolver aos investidores que colocaram seus recursos nos fundos de ações uma quantia superior ao dobro da investida no início de 2000, ano em que o Ibovespa recuou 10,72%.Fiori, que conseguiu um ganho de 107,81% aos cotistas do Atrium FIA, investindo em ações de segunda e terceira linhas, explica que o cenário interno é favorável à bolsa este ano. "O crescimento da economia e a queda dos juros devem garantir o rendimento", diz. O Atrium AL, que rendeu 49,11%, aparece tanto entre os mais rentáveis como entre os melhores na categoria.A estratégia de entrar e sair da bolsa, observando os momentos certos, foi o que garantiu a boa rentabilidade do Alfa Private Portfólio FAQ FIF (19,36%) e do Alfa Plus FIF (18,46%), dois fundos multicarteira administrados pelo Banco Alfa. Os dois figuram tanto no ranking de mais rentáveis como no de melhores. O diretor do Alfa, Márcio Emery, conta que nos dois casos a composição da carteira é de 10% em renda variável e 90% em renda fixa, a maioria títulos públicos.Embora sejam destinados apenas 10% dos recursos à renda variável, Emery credita o bom desempenho à estratégia de não ficar parado em bolsa. Segundo ele, a política de entrar e sair da bolsa, embora tenha exigido um acompanhamento constante dos papéis, levou ao bom rendimento mesmo com os papéis em baixa. A queda de juros, segundo ele, não deverá alterar essa estratégia, pelo menos neste início de ano.

Agencia Estado,

22 de janeiro de 2001 | 13h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.