Ações do setor elétrico registram ganho de 81,41% em 2003

O setor elétrico tem sido o principal responsável pelo desempenho positivo da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Até ontem, o índice que engloba as principais empresas de energia no País, o IEE, acumulava 81,41% de valorização no ano - dois pontos porcentuais acima do registrado pelo Ibovespa ? índice que mede o desempenho das ações mais negociadas na Bolsa. O resultado colocou o indicador no topo das maiores rentabilidades de 2003, segundo levantamento feito pela Economática, com 16 índices mundiais. Com alta de 119,6%, em dólar, o IEE deixou para trás importantes indicadores, como Merval, da Argentina, Ibex 35, da Espanha, e Dow Jones, dos Estados Unidos, além do Ibovespa.Segundo o analista do Unibanco, Sérgio Tamashiro, a explicação para um resultado tão positivo como o apurado até agora está na expectativa do novo marco regulatório para o segmento. Aos poucos, afirma ele, os investidores estão esquecendo o grande temor de que o governo Lula faria intervenção nas tarifas de eletricidade. "A sinalização é que haverá uma continuidade no setor, com alguns ajustes e aprimoramento de regras", destaca.Para o analista Marcos Paulo, da Socopa, além da reversão do quadro de incertezas, o movimento de alta das ações de energia também coincidiu com o pacote de ajuda do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) às elétricas e o alongamento de dívidas de algumas companhias, como a Cesp. Tudo isso, diz Marcos Paulo, teve impacto nos papéis das empresas. Empresas campeãsAs empresas campeãs de valorização no ano são: Eletropaulo (130,77%), Cerj (112,5%), Cesp (98,88%), Eletrobrás (130,77%) e Cemig (78,07%). No curto prazo, afirma Paulo, as ações das empresas de energia podem sofrer algumas correções por causa do marco regulatório. "Se houver atraso, a tendência é haver um reflexo negativo no papéis."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.