Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

Acordo automotivo com México prevê adoção de livre comércio em 2019

Anfavea considerou o acordo bom e afirmou que seria difícil ter livre comércio nesse momento da economia

MARIANA DURÃO, Agência Estado

09 de março de 2015 | 13h49

O novo acordo automotivo entre Brasil e México prevê a adoção automática do livre comércio de veículos entre os dois países a partir de 2019. A previsão não traz ressalvas, disse o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro. "Não saiu do radar. Continua no horizonte do acordo (o livre comércio)", disse.

"Esperamos nos próximos quatro anos criar condições para haver uma relação mais equilibrada e que estimule o Brasil a ter uma posição de maior exposição", disse Monteiro após a assinatura do acordo, no Rio de Janeiro.

Entre os desequilíbrios, Monteiro mencionou questões tributárias e a característica de integração da produção mexicana com os Estados Unidos, país vizinho ao México e que tem prioridade na nova política de comércio exterior brasileira.

A renovação do acordo trouxe uma outra novidade, que é a divisão da cota entre o lado exportador e o importador. Pelo documento, 70% do valor da cota poderão ser distribuídos às empresas pelo México e 30% seriam definidos pelas importadoras brasileiras. Para o ministro Monteiro, esse elemento novo também é importante para dar equilíbrio ao mercado e ajuste das compras aos interesses do mercado doméstico.

Anfavea. O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, explico que a indústria automobilística deverá utilizar um critério que mistura participação de mercado das montadoras e um outro critério linear, englobando todas as empresas associadas à Anfavea.

Moan comentou a mudança da associação, que até pouco tempo defendia a adoção do livre comércio. "Infelizmente perdemos competitividade e precisamos desse período para recuperá-la. Diante desse aspecto, apoiamos o governo brasileiro fortemente na prorrogação desse acordo, mesmo que no critério de cotas", disse Moan.

O presidente da Anfavea disse que a renovação do acordo automotivo com cotas entre Brasil e México deve ser celebrada levando em conta o momento por que passa a economia brasileira. "É um bom acordo que prevê o aumento linear do comércio entre os dois países até chegar US$ 1,75 bilhão em 2019", disse Moan, no Rio, onde participará da cerimônia de assinatura do acordo. Em maio o setor também deverá apresentar propostas para um acordo no comércio bilateral de veículos pesados. 
Tudo o que sabemos sobre:
brasilméxicoacordo automotivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.