Acordo com FMI prevê US$ 6 bilhões em dinheiro novo

O Brasil vai propor ao FMI a extensão do atual acordo por mais um ano e pedirá US$ 6 bilhões em dinheiro novo. Segundo o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, a última parcela do atual acordo, de US$ 8 bilhões, não será sacada. Os US$ 14 bilhões ficarão disponíveis para o Brasil na eventualidade de uma crise externa.De acordo com o ministro, que se reuniu durante todo o dia com a vice-diretora do Fundo, Anne Krueger, as metas do atual acordo serão mantidas, ou seja, o superávit das contas públicas continuará em 4,25% do PIB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.