Acordo com País impulsionaria relação com Mercosul, diz UE

Brasil será primeiro latino-americano a ter aliança estratégica com bloco europeu

Agencia Estado

27 de junho de 2007 | 14h21

A aliança estratégica que a União Européia formalizará em julho com o Brasil pode ajudar a relançar em breve as negociações comerciais com o Mercosul, disse nesta terça-feira, 26, o representante da UE junto ao governo brasileiro, João Pacheco.O pacto será firmado no dia 4 de julho em Lisboa pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pelo presidente da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso, e pelo primeiro-ministro português, José Sócrates. Assim, o Brasil se tornará o primeiro país latino-americano a ter esse tipo de associação com o bloco europeu.O objetivo é aprofundar os laços políticos, científicos, sanitários e de transportes. Bruxelas já tem acordos similares com China, Rússia, Índia, África do Sul, Estados Unidos e Canadá, disse Pacheco à agência de notícias Reuters.O pacto também permitirá uma maior cooperação em fóruns internacionais, como a ONU, e nos dedicados a tratar dos problemas derivados das mudanças climáticas.O diplomata acrescentou que, por iniciativa de Portugal, país que preside a UE no segundo semestre, a cúpula em que se assinará a aliança terminará com um jantar ao qual estarão presentes também o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero."A aliança entre Brasil e UE pode ajudar no relacionamento das negociações Europa-Mercosul", resumiu Pacheco, que estabeleceu como data possível para o reinício do diálogo o mês de setembro. "Essa é a minha leitura, vamos ver que discussões ocorrerão até lá."O Mercosul e a UE buscam desde 1995 um acordo comercial birregional, mas as negociações estão paradas devido a divergências no setor agrícola.

Mais conteúdo sobre:
uealiança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.