Acordo dos remédios começa a vigorar

O congelamento de preços de remédios entra em vigor hoje, com novas adesões. Mais 18 laboratórios vão aderir ao protocolo do governo para manter os valores até o fim do ano. Entre eles, a indústria Eli Lilly e Novaquímica-Sigma Pharma. Agora, são 129 laboratórios que assinaram o documento. As farmácias devem começar a receber hoje as novas tabelas de preços. O presidente da Associação Brasileira de Indústria Farmacêutica (ABCFarma), Pedro Zidói, alerta que a distribuição só deverá terminar na próxima semana. "Até lá, recomendamos que as farmácias continuem usando a tabela disponível" , diz.Zidói afirmou que 500 produtos tiveram seus preços reduzidos. "Não acreditamos que as reduções de preços possam trazer grande impacto para o consumidor", diz. Mas ele reconhece que será um grande avanço ter os preços mantidos até o fim do ano.Lista de remédios mais baratosO presidente do Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal, Antônio Barbosa, vai criar uma lista alternativa aos remédios dos laboratórios que não aderiram ao congelamento. Os medicamentos da nova relação podem custar até 56% mais barato. "É uma maneira também de pressionar os laboratórios que ficaram de fora a entrar no pacto", diz Barbosa. Ele acha positivo o acordo que congela os preços, mas acha difícil que ele seja cumprido pelos laboratórios. E prevê que, a partir de setembro, será quase impossível não haver reajustes.Falhas na fiscalização e nas puniçõesA lista do Conselho Regional deve sair nesta sexta-feira. Antônio Barbosa diz que o governo falhou ao não criar mecanismos de punição para quem não cumprir o acordo. A fiscalização do cumprimento do protocolo ficará a cargo do Procon, segundo um convênio firmado com o Ministério da Saúde.O Procon deverá notificar laboratórios denunciados. Caso seja constatado o aumento de preços, as indústrias poderão receber multas com valores que variam entre 200 e 3 milhões de Ufirs. Denúncias poderão ser feitas pelos consumidores e, para isso, será criado um serviço de 0800.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.