Acordo em Doha pode aliviar crise alimentar, diz OMC

Para chefe da organização, abertura do comércio mundial pode garantir soluções a longo prazo

Reuters,

07 de maio de 2008 | 10h26

A Organização Mundial do Comércio (OMC) não pode oferecer nenhum alívio imediato aos altos preços dos alimentos, mas um acordo na Rodada de Doha para abrir o comércio mundial pode garantir soluções a longo prazo, disse o chefe da OMC, Pascal Lamy, nesta quarta-feira, 7. Entretanto, para cumprir o objetivo de concluir as negociações neste ano, a OMC precisa de um avanço nas próximas semanas, disse Lamy ao conselho geral da OMC.   Veja também:   Especial: Entenda a crise dos alimentos  Alimentos pressionam e IGP-DI acelera para 1,12% em abril "Apesar de a OMC não poder fornecer nada imediato para ajudar a resolver a atual crise, ela pode, através das negociações da Rodada de Doha, garantir soluções no médio a longo prazo", disse Lamy. Segundo ele, um novo acordo comercial ajudaria a aliviar o impacto dos altos preços ao baixar barreiras ao comércio de produtos agrícolas, incluindo subsídios em países ricos. Os preços de alimentos básicos subiram mais de 40% no último ano, causando escassez e tumultos em muitos países desenvolvidos, e levando a Organização das Nações Unidas a advertir sobre a subnutrição e problemas sociais. Muitos países responderam adotando taxas e outras restrições às exportações de alimentos - o que é permitido segundo as regras da OMC - para garantir a oferta interna.

Tudo o que sabemos sobre:
AlimentosOMCRodada de Doha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.