Acordo entre Aneel e Petrobras evitará apagão em 2009

Segundo diretor-geral do ONS, com acordo, risco de apagão será de 5%

Agencia Estado

21 de junho de 2007 | 12h47

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, afirmou que o termo de compromisso firmado entre a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e a Petrobras sobre o cronograma de oferta de gás natural para termelétricas garantirá o abastecimento de energia no período entre 2009 e 2011. "Considerando o cumprimento do cronograma de expansão da oferta, em especial em referência à recomposição da oferta de gás para geração térmica, e a agregação de nova oferta do próximo leilão A-3 (início do suprimento em 2010), o risco de déficit será da ordem de 5%", disse nesta terça-feira, 19, o executivo, no 8º Encontro de Negócios, promovido pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp).Com o cronograma acertado pela Petrobras e a Aneel, que prevê o aumento de produção de gás no Espírito Santo, gás natural liquefeito (GNL) no Rio de Janeiro e Ceará, a construção do Gasoduto do Nordeste (Gasene), entre outros projetos, a expectativa do ONS é que a oferta de energia térmica a gás passe dos atuais 2,137 mil megawatts (MW) para 6,094 mil MW, em 2011. Considerando a entrada de 1,5 mil MW de térmicas a carvão e outros 1 mil MW de térmicas a óleo combustível no período, Chipp estima que as termelétricas adicionais representariam 40% da capacidade de armazenamento do sistema.De acordo com ele, para o biênio 2007/2008 a situação é tranqüila. Segundo o diretor do ONS, considerando os níveis de armazenamento até abril deste ano - mês que encerra o "período úmido", ou seja, a época de chuvas -, o abastecimento de energia em 2008 está garantido. Com isso, está praticamente descartada a necessidade de acionar as termelétricas para atendimento do mercado. "Uma maior certeza sobre isso dependerá do final do período úmido do próximo ano."

Tudo o que sabemos sobre:
AneelPetrobrasacordoapagão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.