Acordo feito hoje permitirá continuidade das negociações na OMC

Uma reunião ministerial, com 30 ministros de diferentes países, na embaixada da Austrália em Paris, definiu um acordo mínimo sobre o problema da conversão das tarifas, o que permitirá a continuidade das negociações na área da Organização Mundial do Comércio. As negociações estavam emperradas em razão de um tema técnico: a forma de cálculo das tarifas de importação de produtos agrícolas. ?Esse é apenas o início da negociação, que foi muito difícil. O acordo permitiu avançar a base de dados a partir da qual vamos negociar?, afirmou o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. Ele ressaltou que ?ainda há muita coisa pela frente". "As grandes questões ainda continuam sem soluções?, afirmou. O acordo foi obtido após intensas negociações nos últimos três dias, que precederam a reunião mini-ministerial da OMC, realizada nesta tarde na Embaixada da Austrália na capital francesa. O que significa o acordo? Este acordo determina o método de conversão de tarifas específicas em tarifas ad valorem, condição exigida pelo Brasil e por países em desenvolvimento para diminuir o protecionismo agrícola aplicado por países ricos, sobretudo europeus. Após a mini-ministerial da OMC, os países do G-10, que representam os maiores importadores mundiais, como Japão, Suíça e Noruega, também discutiram a questão. Nas palavras do ministro Amorim, esse acordo ?foi o apito inicial para começar o jogo?.

Agencia Estado,

04 Maio 2005 | 16h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.