Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Acordo no Cade tenta assegurar concorrência em celulose

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) assinou hoje em sessão extraordinária, com as empresas Votorantim Celulose e Papel (VCP) e International Paper (IP), um acordo de preservação de reversibilidade da operação realizada em setembro de 2006, pela qual a VCP e a IP acertaram uma troca de ativos. Naquela ocasião, a International Paper assumiu uma fábrica da Votorantim Celulose em São Paulo.Pelo acordo, as duas companhias se comprometem a abrir mão da exclusividade mantida com distribuidores de papel até o julgamento final da associação. O objetivo do Cade, ao assinar o acordo, é o de proteger a concorrência no setor de papel e celulose.O acerto feito entre as duas empresas em 2006 ainda está sendo analisado pela Secretaria de Direito Econômico (SDE) e pela Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae), mas despertou preocupação na concorrente Suzano, que, por causa da exclusividade com distribuidores, decidiu acionar o Cade. A Suzano reclamou que essa situação a prejudicaria na disputa comercial com as concorrentes no segmento de papel A4, porque, em um julgamento anterior - o da compra da Ripasa pela VCP em parceria com a Suzano -, o Cade proibiu exclusividade com distribuidores para manter o ambiente concorrencial. Daí, a necessidade, segundo a Suzano, de ser adotada a mesma medida em relação à associação da IP com a VCP.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.