Acordo tem emaranhado de compras

A Portugal Telecom vai pagar, diretamente, R$ 1,1 bilhão por 10% da fatia que hoje pertence aos fundos de pensão (Previ, Petros e Funcef) e à BNDESPar na Telemar Participações, holding que controla a Oi. Essa é a única parte do acordo entre a PT e a Oi de explicação razoavelmente simples: o banco e os fundos, que hoje têm 49,9%, passam a responder por 39,9% da empresa.

, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

O que se segue é um emaranhado de compras diretas e indiretas difícil de descrever. A PT compra participação nas holdings AG Telecom e La Fonte Tel, que controlam a Telemar Participações. No final, um total de R$ 1,58 bilhão da PT entrará pela Andrade Gutierrez. Pela La Fonte, o procedimento será idêntico, como informaram os executivos Otavio Azevedo (AG) e Pedro Jereissati (La Fonte).

No fim do processo, o controle permanece com os grupos Andrade Gutierrez e La Fonte (agora parceiros da Portugal Telecom). E a PT se torna o maior acionista isolado da empresa, com 22,4% de participação na Telemar Norte Leste (Tmar), o último estágio na cadeia da holding da Oi. E a Telemar destinará R$ 1,8 bilhão da operação para comprar 10% da PT, tornando-se maior acionista da empresa portuguesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.