Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Imagem Direto da Fonte
Colunista
Direto da Fonte
Sonia Racy
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Acordos bilaterais são alternativa ao fracasso de Doha

Com o fracasso da última tentativa de acordo para a Rodada Doha, em Potsdam, criaram-se dois cenários possíveis para as negociações, segundo Lia Valls Pereira, coordenadora de projetos do Ibre/FGV, em artigo na revista Conjuntura Econômica. Continuar negociando com prazo indeterminado ou fazer um acordo, mesmo considerado insatisfatório pelos membros da OMC, apenas para sinalizar o desfecho das negociações. E é isso, ao que parece, que está sendo tentado agora. "A intenção é manter a ?bicicleta? do fórum multilateral da OMC andando a qualquer custo", destaca a economista.No caso, porém, de um fracasso "final" da Rodada Doha, segundo a economista, haverá um claro incentivo aos acordos bilaterais ou regionais. E já existem notícias de que um acordo entre Brasil e EUA estaria sendo considerado pelo governo brasileiro. Só que o sucesso de um acordo deste tipo exigirá que sejam solucionados antigos obstáculos. Vamos lá: 1. Acesso a mercados. Um acordo de livre-comércio com os EUA exigirá total eliminação das tarifas de importações ou, pelo menos, 85% das linhas tarifárias, segundo as regras da OMC. Na área agrícola, a negociação poderá permitir eliminação das tarifas e das cotas de importações. Na área não agrícola, em especial nos setores de maior conteúdo tecnológico, a diferença entre a média tarifária brasileira e a americana supera 10 pontos porcentuais.2. Liberalização. São dois os pontos cruciais aqui. Primeiro. Um acordo com os EUA exige o consenso dos setores industriais de avançar na liberalização comercial brasileira. Segundo. O formato da negociação: Mercosul ou bilateral. O último acordo de livre-comércio assinado pelo Mercosul, com os países andinos, mostrou a dificuldade de conciliar interesses, expressa na existência de 67 cronogramas de liberalização.A questão principal, segundo Lia Pereira, é que a opção por acordos bilaterais, em especial com os EUA, não pode ser ventilada como a "única alternativa possível" ao fracasso da Rodada Doha. Deve ser apresentada sim como uma estratégia que atende aos interesses do Brasil no cenário mundial.IMPRESSÃO DIGITALAo que parece, Jackson Schneider, presidente da Anfavea, não está contente com os números do crescimento interno do setor automotivo. Em vez de comemorar a pujante evolução das vendas - mais 25,7% no semestre -, preocupa-se com o volume das exportações, em queda de 10%. Em todo caso, sua argumentação segue uma certa lógica. "Hoje, os investimentos automotivos são globais, direcionados para países com mercados internos florescentes, custos competitivos e perspectivas no mercado internacional. Para atraí-los, precisamos de uma equação para a nossa competitividade global, interna e externa."NA FRENTETODO OUVIDOSEm conversa com o presidente Lula, esta semana, o ministro Guido Mantega foi taxativo: não se está pensando em introduzir IOF na entrada ou saída de capitais. O mais impactante para o câmbio, segundo Mantega, é a redução da taxa de juros. O ministro, aliás, começou um novo ciclo de conversas com o setor privado para debater as questões do futuro da economia nacional. Já esteve com Delfim Netto, Paulo Skaf, Manuel Felix Cintra Neto, da BM&F, e com grupos calçadistas e têxteis.BOLSO FURADOOs homens (59%) estão mais endividados que as mulheres (55%), mas são elas que ganham no quesito inadimplência, com 41%, ante 37% do público masculino.Pelo menos é isso que apurou a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, que a Fecomércio SP divulga na segunda-feira.ENXURRADAAs importações de semicondutores subiram 60% no primeiro semestre deste ano em relação aos primeiros seis meses de 2006, segundo dados da Abinee. Somaram US$ 2,7 bilhões.MONTAGEMRomeu Chap Chap foi visto esta semana almoçando no Restaurante Parigi com Marcelo Xandó e Marcio Dreher, da Verax Serviços Financeiros, especializada em investimentos alternativos. Há rumores de que o próximo projeto encabeçado por Chap Chap, após sua saída do Secovi-SP, será em parceria com os dois empresários.NO ARPassageiros que desembarcaram na tarde de quinta-feira, no Aeroporto Santos Dumont, tiveram de esperar quase meia hora dentro do avião. Motivo: o piso do finger novinho, em que estavam encostados, havia cedido.Para permitir a descida dos passageiros foi improvisada uma "ponte", ligando o avião à parte mais firme. BOCÃOHá quem assegure que o Bradesco aprofundou sua tentativa de comprar o BMG.Acontece que só poderá fazê-lo oficialmente daqui a quatro meses, quando vence o contrato operacional e de preferência entre Itaú e BMG.DIGNIDADEQuando o ex-ministro Rubens Ricupero pisou na bola em uma conversa antes de dar entrevista à TV Globo, que acabou indo ao ar, tomou a atitude de pedir desculpas à Nação e se demitiu. Já o assessor da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, preferiu dizer que "isso é uma reação privada que qualquer pessoa de bom senso teria neste momento". CURTASOntem, o mercado de ações brasileiro se mostrou mais firme que o da Bolsa de Nova York. O comentário que circulava pelas mesas de operações por aqui era de que a tendência mundial é a de tornar os emergentes um porto seguro, em caso de maior estremecimento do Primeiro Mundo. Será? Não foi apenas no contencioso do algodão que o Brasil ganhou na OMC e não levou. Segundo bem lembra o colunista do Estadão Alberto Tamer, na primeira ação que deu entrada na OMC, do Brasil e da Venezuela, em relação à gasolina americana, aconteceu o mesmo.

Sonia Racy, O Estadao de S.Paulo

07 de julho de 2022 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.