Acrefi: Juros ao consumidor podem subir

Consumidor pode esperar juros maiores até o Natal, aposta o presidente da Associação Brasileira de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), Ricardo Malcon. Segundo ele, a forte pressão sobre o dólar e a elevação do juro futuro devem elevar o juro ao consumidor nos próximos 60 dias, o que coincide com o crescimento da demanda por conta das vendas de final de ano. Na sua opinião, a Selic, taxa básica de juros da economia, também deve sofrer um aumento nos próximos meses, se as incertezas dos cenários político e econômico permanecerem. Ainda segundo Ricardo Malcon, o volume de crédito continua recuando em setembro e, nos últimos meses, já houve encurtamento de prazos do crédito pessoal, cartão de crédito e crediário. "O mesmo não aconteceu nos financiamentos de veículo, cujos prazos foram alongados."Para o consumidor, a tendência de alta dos juros e encurtamento de prazos representam um encarecimento no financiamento. Os dados de uma pesquisa realizada entre julho e agosto pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) revelam que o pagamento de juros já correspondem a 29,83% do orçamento doméstico, enquanto o ideal seria não chegar aos 25%. Ou seja, de cada R$ 1.000 gastos mensalmente, o consumidor está pagando R$ 298,30 em juros de crediários, cartão de crédito e cheque especial. Além disso, a Anefac observou um aumento no custo médio do financiamento nos últimos dois meses - de 8,08% em julho para 8,14% em agosto. Os juros do cheque especial também subiram de 9,78% ao mês para 9,87% ao mês, assim como as taxas do Crédito Direto ao Consumidor (CDC), de 4,27% para 4,36% mensais, no mesmo período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.