ACSP: vendas a prazo devem cair 9% em 2009

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) estima uma queda de 9% nas vendas a prazo neste ano em relação a 2008, com base em dados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Segundo a associação, a retração reflete basicamente a crise internacional de crédito que afetou o País, principalmente nos primeiros meses deste ano. As vendas à vista, que são mensuradas pelo sistema SCPC/Cheque, devem crescer 1,2% em 2009 ante o ano anterior. Esse avanço deve ser puxado pelo crescimento da massa salarial.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

16 de dezembro de 2009 | 13h41

Quanto à inadimplência, a associação projeta uma alta de 3% nos registros recebidos (carnês em atraso), mas um acréscimo de 3,8% nos cancelamentos (carnês que saíram do registro do SCPC). "Esses dados sugerem que a inadimplência está entrando em uma tendência de queda", diz a ACSP em comunicado. As falências requeridas devem subir cerca de 14% este ano. No entanto, as estimativas indicam que as recuperações vão crescer 41%. Esses dados, acrescenta a associação, mostram que, se por um lado a crise de crédito afetou a pessoa jurídica, a nova lei de falências está permitindo uma grande quantidade de recuperações, evitando um maior número de quebras de empresas.

Na primeira quinzena de dezembro, as vendas a prazo cresceram 3,8% em relação ao mesmo período de 2008, enquanto na comparação com a primeira quinzena de novembro, a alta foi de 37,4%. Segundo a associação, este crescimento é resultado, principalmente, do aumento nas vendas de móveis e eletrodomésticos. Já as vendas à vista cresceram 8,2% na primeira quinzena de dezembro ante igual período do ano passado. Em relação à primeira quinzena de novembro, a alta foi de 42,6%. Conforme a ACSP, essa alta reflete o aumento nas vendas, principalmente, de roupas e calçados.

Tudo o que sabemos sobre:
comérciovendas a prazoACSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.