Açúcar cai quase 5% em Nova York

Análise

Filipe Domingues, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2010 | 00h00

A maioria dos produtos agrícolas terminou ontem com perdas nas bolsas americanas. Commodities e ações voltaram a caminhar juntas em um dia de instabilidade nos mercados. A pressão das vendas aumentou quando a agência de classificação de risco Fitch rebaixou o rating da Espanha, ou seja, sinalizou que é maior a chance de inadimplência no pagamento da dívida.

Em Nova York, o açúcar foi a commodity agrícola que caiu mais. O contrato com vencimento em julho desabou 4,89% e terminou a 14,19 centavos de dólar por libra-peso. Segundo analistas, além de sofrer influências de outros mercados, o açúcar vinha cedendo desde que registrou a máxima de 15,75 cents/lb, na segunda-feira. Investidores haviam se programado para vender nesse patamar, de modo que o produto recuou 9,27% na semana. Na mesma bolsa, o algodão cedeu 1,51% e o café, 0,37%.

Chicago também acompanhou o movimento. O milho para entrega em julho caiu 3,82%, a US$ 3,59 por bushel. As preocupações com a Europa estimularam as vendas. Em meio a tanta incerteza e antes de um feriado nos Estados Unidos na próxima segunda-feira (o Memorial Day), poucos arriscaram comprar.

Embora a semana tenha sido de sobe e desce, a maior parte das commodities registrou ganhos no período. O índice CRB, que representa contratos futuros de 19 commodities, subiu 1,34% nesta semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.