Açúcar sobe 2,9% em Nova York

O atraso no embarque de açúcar nos portos de Santos e Paranaguá, agravado pelas chuvas da semana passada, e problemas na colheita da cana na Tailândia fizeram as cotações do produto disparar na Bolsa de Nova York, ontem. O contrato outubro - o mais negociado - subiu 2,92%, para fechar em 17,61 centavos de dólar libra-peso. A fila de navios nos portos chega a três semanas e, com a demora na chegada do produto brasileiro, várias refinarias do Oriente Médio e da África tiveram que usar boa parte dos seus estoques. Os problemas no lado da oferta ocorrem justo em um momento de forte demanda mundial, em que nações islâmicas vão ao mercado para adquirir a commodity antes das celebrações do Ramadã, mês sagrado do calendário muçulmano.

Análise: Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2010 | 00h00

Outra commodity a ter forte variação de preço em Nova York foi o cacau. O contrato setembro despencou 5,81%, para US$ 2.981 por tonelada. Na semana passada, a cotação disparou para o maior nível em 10 semanas, com rumores de que um grande consumidor final da amêndoa tinha adquirido 240 mil toneladas do produto, o equivalente a seis meses do processamento dos Estados Unidos. Ontem, quando descobriu-se que esse consumidor era, na verdade, um fundo especulativo, as cotações desabaram. Em Chicago, os preços do milho caíram 3,25% depois das chuvas do final de semana nos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.