Açúcar sobe 6,5% em Nova York

Os preços internacionais do açúcar do tipo demerara dispararam ontem na Bolsa de Nova York. Sinais de demanda impulsionaram o desempenho do produto, que também foi influenciada pela alta de outros mercados. O contrato com vencimento em julho fechou com valorização de 6,55%, a 14,80 centavos de dólar por libra-peso. Trata-se da maior alta em duas semanas da commodity .

Análise: Filipe Domingues, O Estado de S.Paulo

19 de maio de 2010 | 00h00

Apesar da recuperação, os preços do açúcar já caíram à metade desde que atingiram as as maiores cotações em 29 anos, em 1º de fevereiro. E, com preços em patamares menores, é esperado um retorno da demanda da Índia (maior consumidor mundial), da Rússia e outros países asiáticos. Nesse sentido, o mercado recebeu ontem a notícia de que a Índia poderá importar 10 mil toneladas de refinado do Brasil ou da Tailândia.

Também em Nova York, o café para julho se valorizou 1,28%. A queda do dólar foi o principal estímulo, mas a oferta global é apertada neste momento, de modo que as torrefadoras têm buscado comprar a níveis relativamente baixos de preço.

Durante o pregão de ontem, o dólar saiu das máximas da segunda-feira e abriu as portas para que as commodities se recuperassem. Isso ocorre porque, com o dólar menos valorizado, os investidores podem usar outras moedas para comprar mais commodities.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.