Açúcar sobe com dados ruins do Brasil

Os preços do açúcar subiram na Bolsa de Nova York, na sexta-feira, sustentados pelas preocupações em torno do tamanho da safra na região Centro-Sul do Brasil em 2011/12. Na quinta-feira, a consultoria Datagro reduziu a estimativa das exportações do produto em um milhão de toneladas, para 24,22 milhões de toneladas. Isso foi resultado da queda na projeção de processamento da cana em praticamente 18 milhões de toneladas, para 536 milhões de t. Além disso, relatório da FAO mostrando que as cotações da commodity deverão aumentar ao longo dos próximos anos também deu alento ao mercado. O contrato julho subiu 1,74%, para 26,37 centavos de dólar por libra-peso.

Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2011 | 00h00

Segundo a FAO, os preços do açúcar subirão ao longo da próxima década, depois de uma queda nos próximos dois anos. Em 2012/13, as cotações deverão ser afetadas por um pico de produção na Índia, além aumento da oferta de outros países exportadores. Mas em 2015/16, o ciclo indiano deve entrar numa fase de queda, levando a uma redução da produção que vai impulsionar os preços internacionais.

Na Bolsa de Chicago, as cotações do milho fecharam com queda pelo quinto dia consecutivo. O contrato julho recuou 0,18%, para US$ 7,0025 por bushel. Em uma semana, o valor do grão acumulou desvalorização de 11%. O trigo teve ligeira alta de 0,15%, para US$ 6,7225 por bushel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.