Açúcar sobe com expectativa de queda na produção

Cenário: Filipe Domingues

O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2012 | 03h08

A perspectiva de queda da produção de açúcar do Brasil, maior fornecedor mundial, sustentou as cotações da commodity ontem na Bolsa de Nova York. Até a véspera, os participantes do mercado olhavam mais para dados que apontam superávit na oferta global de açúcar na temporada 2011/12, estimado em 6 milhões de toneladas pela Organização Internacional do Açúcar (OIA), e as cotações vinham em baixa. Mas ontem as conversas versavam sobre a fraca produtividade brasileira, por causa da seca, e os contratos começaram a se recuperar.

"Vamos esperar uma confirmação da recuperação (da oferta) do Brasil para mudarmos nossas projeções", afirmou o banco americano Goldman Sachs, que aposta na alta dos preços. Os contratos do açúcar para entrega em julho fecharam com alta de 0,88%, a 21,80 centavos de dólar por libra-peso. Apesar dos ganhos, há chance de ampliação na oferta global, com forte produção na Tailândia e na Índia, o que limita eventuais avanços de preços no curto prazo.

Já os preços do café, também negociado na Bolsa de Nova York, fecharam em queda expressiva. Participantes do mercado que haviam apostado na alta vêm abandonando essa posição nas últimas de semanas, pois esperam uma ampla safra no Brasil. Fala-se, inclusive, em produção recorde, o que tende a derrubar as cotações. Os lotes para entrega em julho caíram 3,68%, para 176,75 cents/lb. O algodão também encerrou o dia em queda, de 0,72%. A demanda por têxteis está fraca neste momento, com a fragilidade da economia global.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.