Açúcar sobe com sinais de demanda

Sinais de que aumenta a procura por açúcar em países importadores impulsionaram os preços da commodity ontem na Bolsa de Nova York. O açúcar do tipo demerara para entrega em julho avançou 4,40% e fechou a 15,65 centavos de dólar por libra-peso.

Análise: Filipe Domingues, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2010 | 00h00

Com os preços em níveis relativamente baixos, a demanda reacendeu. A Índia, maior consumidor mundial de açúcar, deve abrir licitação para comprar 112,5 mil toneladas do Brasil ou da Tailândia. Também há expectativa de que o Paquistão compre 200 mil toneladas do produto neste fim de semana, depois da encomenda de 100 mil toneladas há uma semana.

Desde fevereiro, quando as cotações escalaram para o nível mais alto em 29 anos, o açúcar havia entrado em trajetória de queda. No início de maio, atingiu o degrau mais baixo em um ano (13,0 cents/lb). E, segundo analistas, este parece ser um piso que o mercado não deve romper no curto prazo.

O humor melhorou ontem na maioria dos mercados, com uma sensação mais positiva em relação à crise na Europa. Outras commodities agrícolas se valorizaram. O café subiu 0,57% em Nova York e o algodão, 1,07%, ambos na esteira de outros mercados. Em Chicago, milho e trigo tiveram alta de 1,93% e 0,48%, respectivamente. A soja terminou em leve baixa, de 0,32%, porque investidores embolsaram lucros obtidos no início do dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.