Dani Pozo/AFP
Dani Pozo/AFP

Condenado por corrupção, ex-presidente de banco espanhol é achado morto

Suspeita é que Miguel Blesa, ex-executivo do Caja Madrid, tenha cometido suicídio

Associated Press

19 Julho 2017 | 10h20

Miguel Blesa, ex-presidente do Caja Madrid, um dos maiores bancos da Espanha, foi encontrado morto nesta terça-feira, 18, com um tiro no peito em uma propriedade privada no sul do país, segundo informações da Guarda Civil espanhola.

Os agentes descartaram um homicídio e estão investigando se a morte de Blesa foi um acidente ou suicídio, disse, nesta quarta-feira, uma porta-voz da Guarda Civil, pedindo anonimato devido ao protocolo da instituição.

Blesa foi presidente do Caja Madrid, uma das principais instituições financeiras espanholas até sua fusão com outros sete bancos para formar a Bankia, que mais tarde se nacionalizou e foi resgatada por € 18 bilhões de euros. No início deste ano, ele foi condenado a seis anos de prisão por conta de um esquema de corrupção montado no banco para financiar gastos pessoais de executivos com restaurantes e viagens.

+ Tudo sobre os Panamá Papers

Blesa também foi citado em documentos conhecidos como Panamá Papers. Os 11,5 milhões de documentos confidenciais do escritório panamenho Mossack Fonseca trazem informações sobre 214 mil empresas offshore, muitas vezes usadas para ocultar patrimônio em paraísos fiscais.

Mais conteúdo sobre:
EspanhaPanama Papers

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.