Gabriela Biló/Estadão - 15/12/2021
Marco Bertaiolli: prorrogação no prazo do Simples não 'resolve o problema porque não tem a universalidade do Refis'. Gabriela Biló/Estadão - 15/12/2021

Adesão ao Simples vai ser prorrogada para 31 de março à espera da derrubada do veto do Refis

Aumento no prazo para adesão ao programa é o primeiro passo para a solução de um problema que se iniciou quando Bolsonaro vetou o Refis de MEIs e pequenas empresas

Adriana Fernandes e Guilherme Pimenta, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2022 | 17h48

BRASÍLIA - O Ministério da Economia bateu o martelo para a prorrogação do prazo de adesão ao Simples Nacional de 31 de janeiro para 31 de março, segundo informou ao Estadão o relator do projeto do Refis (parcelamento de débitos tributários) dos Microempreendedores Individuais (MEI) e das micro e pequenas empresas, deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP).

Segundo ele, esse é primeiro passo para a solução do impasse depois que o presidente Jair Bolsonaro vetou a lei do Refis aprovada pelo Congresso no final do ano passado. O secretário da Receita Federal, Júlio César Vieira Gomes, deve convocar uma reunião do Comitê Gestor do Simples Nacional para aprovar a prorrogação do prazo.

“Até 31 de março, está fechada a prorrogação. Aí, talvez até a reunião com a participação do Sebrae a gente passe para 30 de abril”, disse o relator, que preside a Frente Nacional do Empreendedorismo.

Em paralelo, a Frente vai trabalhar para que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), convoque uma sessão do Congresso em fevereiro para a derrubada do veto do presidente. O próprio Bolsonaro disse na segunda-feira, 10, que espera que os parlamentares derrubem seu veto

O relator disse que a abertura da pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) em dois programas para regularizar dívidas de empresas do Simples Nacional é boa, mas não resolve. As medidas são uma resposta do governo federal, que vetou o Refis geral às pequenas empresas com perdão de multas e juros e parcelamento em até 15 anos, e foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União (DOU) no período da tarde.

“É boa, mas não resolve o problema porque não tem a universalidade que o Refis traria”, avaliou.  Para ele, a medida  não atende a todos que tenham dívida com o mesmo porcentual de desconto e prazo de parcelamento. “Eles fazem uma análise da capacidade contributiva de cada empresa e aí pode variar. Além disso, essa portaria só atende aquelas dívidas que já estão na PGFN, cerca de 60%”, disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Economia anuncia dois programas para regularizar dívidas de empresas do Simples após veto ao Refis

Governo federal vetou o Refis às pequenas empresas; dois novos programas possibilitam descontos e parcelamentos às dívidas de optantes do Simples Nacional

Guilherme Pimenta e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

11 de janeiro de 2022 | 14h06
Atualizado 12 de janeiro de 2022 | 13h28

BRASÍLIA - A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) anunciou nesta terça-feira, 11, dois programas para regularizar dívidas de empresas do Simples Nacional. As medidas são uma resposta do governo federal, que vetou o Refis (parcelamento de débitos tributários) às pequenas empresas, aprovado pelo Congresso Nacional, e foram publicadas em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

De acordo com a PGFN, são dois os novos programas anunciados hoje: Programa de Regularização do Simples Nacional e Transação do Contencioso de Pequeno Valor do Simples Nacional. 

O Programa de Regularização do Simples Nacional permite a microempreendedores individuais (MEI), microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP) optantes do Simples Nacional, afetadas pela pandemia, descontos e parcelamentos às suas dívidas. A entrada pode ser de 1% do valor total do débito, dividido em até oito meses.

O restante, de acordo com a PGFN, é parcelado em até 137 meses com desconto de até 100% de juros, das multas e dos encargos legais. Esse desconto deve observar o limite de 70% do valor total do débito. O órgão informou que os descontos serão calculados a partir da capacidade de pagamento de cada empresa e as parcelas mínimas são de R$100,00 ou de R$ 25,00 no caso dos microempreendedores individuais.

Já o edital de Transação do Contencioso de Pequeno Valor do Simples Nacional permitirá que o empresário dê uma entrada de 1% a ser paga em três parcelas. O restante poderá ser parcelado em 9, 27, 47 ou 57 meses com descontos de 50%, 45%, 40% e 35%, respectivamente. Quanto menor é o prazo escolhido, maior é o desconto no valor total da dívida.

Esse edital vale somente para dívidas inscritas até 31 de dezembro. A PGFN explicou que, para aderir, o valor da dívida deve ser menor ou igual a R$ 72.720 ou 60 salários mínimos. Nesse caso, a parcela mínima é de R$100,00 ou de R$ 25,00 no caso dos microempreendedores individuais e a adesão não depende de análise da capacidade de pagamento do contribuinte.

De acordo com a PGFN, 1,8 milhão de empresas estão inscritas na dívida ativa da União por débitos do Simples Nacional - 160 mil são microempreendedores individuais (MEI). O valor total dos débitos do Simples Nacional inscritos na dívida ativa da União é de R$ 137,2 bilhões.

Ontem, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que precisou vetar o Refis sob pena de cometer crime de responsabilidade. As medidas anunciadas hoje, segundo ele, são "parciais" até que o Congresso derrube o veto. Como o Estadão/Broadcast mostrou, de acordo com técnicos do governo, o instrumento de medida provisória (MP) não pode ser usado para tratar de temas referentes ao Simples Nacional, que exigem a aprovação de lei complementar. 

Na avaliação da advogada Thais Veiga Shingai, sócia da área tributária de Mannrich e Vasconcelos Advogados, as medidas anunciadas pelo governo reduzem preocupações de pequenas empresas, mas são menos abrangentes quando comparadas ao Refis. "Não resolvem o problema por completo, pois de fato englobam somente os débitos inscritos em dívida ativa", disse a advogada.

Isso porque para aderir ao Simples Nacional, as empresas também precisam ter sua situação fiscal em conformidade com a Receita Federal, nas dívidas ainda não inscritas. "O Refis vetado era mais abrangente, permitindo a regularização de todos os débitos existentes junto à União e relacionados ao Simples Naciona", explicou. Segundo ela, uma prorrogação do prazo para adesão ao Simples Nacional dará fôlego para a tramitação do veto no Congresso Nacional.

Questionada sobre a portaria ser menos eficaz do que o Refis aprovado, a PGFN informou ao Estadão/Broadcast somente que a negociação de dívidas prevista na portaria abrange débitos que venham a ser inscritos em dívida ativa até 31 de janeiro de 2022.  

De acordo com a portaria, para mensurar a capacidade de pagamento das pequenas empresas, o órgão levará em consideração valores registrados em nota fiscal, informações sobre obrigações fiscais, previdenciárias e trabalhistas, massa salarial declarada nas guias de recolhimento do FGTS, valores pagos ao devedor declarados por terceiros em declarações de imposto de renda e outras fontes de informação.

Caso o contribuinte não concorde com a aferição da capacidade de pagamento, a PGFN informou que ele poderá ingressar com um pedido de revisão, por intermédio do Portal Regularize.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.