Adiada decisão sobre plano de recuperação da Vasp

Os representantes de credores da Vasp reuniram-se hoje pela manhã para assembléia na sede da empresa, em São Paulo, e decidiram adiar a votação do plano de reestruturação da empresa para 20 de junho. O plano de recuperação judicial prevê a separação da empresa em duas partes: uma operacional e outra para administrar os ativos e dívidas. Esses ativos serão reunidos em Fundos de Investimentos e Participações (FIPs).Os credores poderão trocar dívidas por quotas dos fundos, que incluirão ativos como imóveis, créditos e recebíveis, conforme projeto da consultoria Tendências e do escritório de advocacia Wald & Associados. O Banif foi indicado para liderar a administração dos novos fundos de investidores previstos no plano.Depois de ouvir essa proposta, advogados da Petrobras pediram a interrupção da assembléia para analisar as condições. No dia 20, os credores deverão decidir se aceitam a participação do Banif e a criação dos fundos. "Tenho certeza que o plano será aprovado", disse o presidente da comissão interventora da Vasp, Raul Medeiros.Segundo ele, o plano será submetido à avaliação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Para Medeiros, o patrimônio da empresa gira em torno de R$ 6 bilhões, entre ativos tangíveis e intangíveis e há investidores nacionais interessados em apostar no retorno da companhia. Ele afirmou que não está previsto qualquer pedido de apoio ao BNDES.Otimismo A presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), Graziella Baggio, disse estar otimista em relação à aprovação do plano de recuperação no dia 20. Segundo ela, o projeto é feito com menos desgaste do que o da Varig, já que a Vasp não está mais no mercado. Ela estima que o passivo trabalhista da companhia aérea seja de R$ 400 milhões. Para Graziella, que foi aeromoça da própria Vasp, os credores deverão fazer acordo desde que esteja afastada a participação do ex-presidente da companhia e acionista majoritário, Wagner Canhedo. Ele deixou a administração após a entrada dos interventores judiciais e tem os bens indisponíveis."É preciso descartar a participação de Canhedo para que o processo tenha credibilidade", declarou a sindicalista. De acordo com ela, o patrimônio da Vasp inclui centenas de imóveis, aviões e peças e uma marca forte especialmente nas regiões Norte e Nordeste.DívidaSem voar desde janeiro de 2005, a Vasp está no centro de uma disputa bilionária. Um estudo que acaba de ser concluído calcula em R$ 6,48 bilhões o patrimônio da empresa, entre prédios, aviões e ações que correm na Justiça e que podem ter decisão favorável à empresa.O tamanho da dívida da empresa ainda é motivo de grande discussão. Enquanto a Vasp reconhece que deve R$ 3 bilhões, pela conta dos credores o rombo chega a R$ 5 bilhões."O patrimônio líquido é positivo e a companhia tem ativos suficientes para saldar suas dívidas", afirma Medeiros. "É uma situação econômica melhor do que a da Varig, que além de tudo perde dinheiro a cada dia."OperaçãoCaso a empresa consiga aprovar o plano de recuperação, o passo seguinte será buscar investidores para dar início a retomada das atividades. A empresa quer voltar a transportar passageiros e carga até o final do primeiro trimestre do ano que vem. A intenção é montar uma frota de 10 a 12 aeronaves até o fim do primeiro ano. Quanto de investimento seria necessário para tanto, Medeiros não revela. "É prematuro, depende de uma série de variáveis, como tipo de aeronave, por exemplo."A empresa terá de fazer um investimento importante em marketing, para resgatar sua imagem. "Claro que teremos que investir em imagem. Mas o desgaste maior está concentrado no Sudeste, em São Paulo. No Nordeste e no Norte a empresa ainda tem uma imagem muito boa", afirma Medeiros.Hoje a Vasp conta com 380 funcionários e mantém uma operação mínima de prestação de serviços de manutenção para terceiros. A empresa tem um contrato com a BRA e negocia outro com a V-Log, ex-subsidiária de cargas da Varig. Outra fonte de receita são aluguéis de imóveis, que estão espalhados por todo o País.Este texto foi atualizado às 16h15, com inclusão de informações

Agencia Estado,

30 de maio de 2006 | 12h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.