Administradores apostam no setor de telefonia

Quem deseja investir em papéis de empresas de telecomunicações, mas tem receio de administrar uma carteira própria, pode analisar fundos cuja carteira esteja voltada para o setor. Acreditando no bom desempenho das empresas de telefonia fixa, os administradores continuam apostando no segmento.Vale lembrar que, por ficar ancorados em papéis de um único setor, esses fundos são considerados mais arriscados, comparados com os de carteiras diversificadas. Analistas afirmam que os produtos estão apresentando boa rentabilidade. Até terça-feira, o Safra Setorial Telecom acumulava rentabilidade de 26,23% no ano, comparada com uma variação de 4,81% apresentada pelo Ibovespa - Índice que mede a valorização das ações de empresas mais negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Esse fundo, explica o gestor de Renda Variável do Safra, Valmir Celestino, é composto por 40% de papéis de telefonia celular e 60% de fixa. Mas Celestino ressalta que a carteira é bem pulverizada e possui cerca de 15 ações diferentes.No Liberal Telecomunicações, o peso maior da carteira está concentrado nas ações da Telemar (40%). O restante está dividido entre Tele Centro-Sul (30%), Embratel (20%) e Telerj (5%). Em contrapartida, a carteira do Boston Telecom está sendo revista. Por acreditar na recuperação das empresas de telefonia móvel, o diretor de Renda Variável da BankBoston Asset Management, Júlio Ziegelmann, afirma que está diminuindo o peso no sistema de telefonia fixa e aumentando no de celular.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.