Administrar ritmo de crescimento é o desafio, destaca Ipea

O grande desafio do Brasil a partir de agora na avaliação do pesquisador sênior do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Arnaldo Castelar Pinheiro, é administrar o ritmo de crescimento da economia com políticas fiscal e monetária adequadas. Castelar considera extremamente positivo o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mas ressalva que o País não tem condições de sustentar no médio prazo taxas de crescimento trimestrais anualizadas no patamar de 6%."Já estamos num nível alto da utilização da capacidade instalada. O nível de atividade vem surpreendendo sistematicamente e, no terceiro trimestre desse ano, deverá crescer também. Mas, aí, vamos bater no nosso limite de capacidade produtiva", destacou o economista.Ele acredita que o fundamental desse momento é o governo manter a estabilidade macroeconômica que conquistou, o que deverá permitir a confiança do empresariado para retomar investimentos. Na avaliação do economista, mesmo que o BC venha aumentar os juros, isso não terá necessariamente um impacto ruim sobre as decisões das empresas.Ao contrário de outros especialistas, ele acredita que o BC já sinalizou que se for necessário poderá subir a Selic, a taxa básica de juros da economia, independentemente do momento político, o que significa que o aumento poderia vir antes mesmo das eleições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.